Audiência debateu atuação de assistentes sociais e psicólogos na rede de ensino

A Câmara realizou uma audiência pública na tarde de quarta-feira (8/12) para debater o planejamento do município para o cumprimento da Lei Federal nº 13.935/2019. A lei determina a obrigatoriedade da atuação de assistentes sociais e psicólogos na rede pública de ensino. A vereadora Anna Beatriz (PSD) foi a proponente da audiência. A abertura foi feita pelo presidente do Legislativo, vereador Alan Vieira (MDB).

O debate foi conduzido pela vereadora Anna. “Que possamos avançar na implementação desta lei”, afirmou no início da audiência. A vereadora destacou que, conforme o portal da transparência, o município conta hoje com uma assistente social e duas psicólogas no seu quadro de funcionários para o atendimento de 30 mil alunos da rede municipal de ensino.A juíz

a da Infância e Juventude de Gravataí, Valéria Eugênia Neves Willhelm, enviou uma mensagem para a audiência, na qual destacou “a importância do papel dos psicólogos no dia-a-dia das crianças na escola, com a escuta das crianças fora do ambiente da família. É na escola que os problemas aparecem através da dificuldade de aprender e do comportamento”.

“Após a pandemia, o papel dos psicólogos e assistentes sociais se tornou uma necessidade. Aumentando o número de técnicos, daremos uma melhor qualidade de vida para as crianças e um melhor futuro”, afirmou.

A presidente do Conselho Regional de Serviço Social (CRESS) do RS, Elisa Scherer Benedetto, fez um histórico dos debates em torno da Lei Federal nº 13.935/2019. “É uma necessidade social, que a legislação brasileira reconheceu”, afirmou.

“A escola é o segundo espaço primordial de socialização das crianças e adolescentes, depois da família. É um local de desenvolvimento humano e do sujeito”, disse. “Esses quase 30 mil jovens da rede de Gravataí precisam de muitos olhares para que tenham seus direitos garantidos”, destacou.

“Somos simpatizantes da presença desses profissionais nas escolas”, afirmou a secretária municipal da Educação, Magda Ely da Silva. Ela destacou que o trabalho de profissionais da área de saúde mental é um “trabalho preventivo, que pode sustentar a aprendizagem dos alunos”, e que os profissionais da psicologia também atuam no “atendimento terapêutico e atendimento clínico”.

Magda ressaltou que essa presença demanda recursos, e afirmou que, “para 2022, haverá ampliação do atendimento, com mais dois psicólogos diretamente nas escolas”. Ela disse ainda que “se é do interesse da educação e da população, o governo sempre será parceiro para qualquer ação”.

A audiência contou com a presença e com falas das conselheiras Cristiane Moreira e Janaína Feijó, do Conselho Tutelar Leste, e de Adriana Neves, do Conselho Tutelar Oeste. Teve ainda falas de representantes da Secretaria Municipal da Saúde e dos conselhos municipais da Educação, do Idoso, da Saúde, da Pessoa com Deficiência e do Acompanhamento do Fundeb.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade