Zaffalon pede apoio da Granpal para discutir problema da estiagem

Em audiência com o governador do Rio Grande do Sul em exercício, Gabriel Souza, no Palácio Piratini, o prefeito Luiz Zaffalon, juntamente com outros prefeitos da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), discutiu o problema da estiagem que assola o Estado nas últimas semanas em função da falta da chuva. O encontro ocorreu na tarde da última sexta-feira, 7.

O Rio Gravataí é um dos mais atingidos pela estiagem na Região Metropolitana, sendo que ele atende, além de Gravataí, os municípios de Glorinha, Viamão, Alvorada e Cachoeirinha. “Conversei com o presidente da Granpal, o prefeito Sebastião Melo, sobre a importância de unirmos esforços para combater a crise hídrica na região e conseguimos marcar esta agenda. Há a autorização para a construção de 13 microbarragens no rio e este é um dos assuntos tratados com o governador em exercício, já que o Rio Gravataí é de responsabilidade do Estado, por meio da Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler)”, afirmou Zaffa.

A Granpal, por intermédio do prefeito Sebastião Melo, solicitou, ainda para este mês de janeiro, que o Governo do Estado promova reuniões com todos os prefeitos atingidos pela estiagem para buscar soluções mais rápidas. Já a Corsan mostrou projetos de obras, de longo prazo, apenas.

Programa Assistir também foi pauta
Ainda na reunião com o governador em exercício, a deputada estadual Patrícia Alba (MDB) apresentou o relatório final da Comissão de Representação Externa, criada para avaliar as consequências do Programa Assistir. Para o município de Gravataí, a iniciativa do Governo do Estado viabilizaria mais recursos para o Hospital Dom João Becker (HDJB)/Santa Casa, porém, no geral, o programa representa R$ 205 milhões a menos para a saúde dos municípios em 2022. Por poder sobrecarregar o sistema de saúde da Região Metropolitana, o tema também é discutido e de interesse da Granpal.

“Para Gravataí, o Programa Assistir traz benefícios, mas, entendemos que, no contexto em que estamos inseridos, em que Porto Alegre é referência para diversos serviços em saúde, a medida pode significar um risco de fechamento de emergências e serviços na região”, disse Zaffa. De acordo com a deputada Patrícia Alba, o Programa Assistir recebeu contestações no relatório final da comissão que contou com a sua coordenação.

O relatório recomenda que o Palácio Piratini revogue as diretrizes do Assistir aos 56 hospitais que perderão incentivos. Por outro lado, sugere a manutenção do programa às instituições que passaram a ganhar – para estes, o novo regramento já está em vigor desde setembro.

O encaminhamento feito pela Comissão determinaria ao Estado um aporte de R$ 314 milhões por ano, o que, de acordo com Patrícia, auxiliaria o Poder Executivo nas recomendações feitas pelo TCE, referentes ao exercício de 2019, para que cumpra o percentual mínimo constitucional de 12% de gastos na área da Saúde. A Comissão Externa também contou com a participação dos deputados estaduais Elisandro Sabino (PTB), Marcus Vinícius (PP), Valdeci Oliveira (PT) e Vilmar Lourenço (PSL).

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade