Um agosto dourado para as mamães de Gravataí

Carinho e humanização são praticados todos os meses no Centro Obstétrico (C.O.) do Hospital Dom João Becker. Mas esse é um período especial do ano, principalmente pelo Agosto Dourado, iniciativa que visa estimular o aleitamento materno. Funcionários do C.O. e de outras áreas do hospital se engajaram na campanha por meio de fotos e distribuição de laços dourados e marca-páginas. Além disso, práticas como a “Roda de Orientação” e a ultrassonografia natural são realizadas nas gestantes hospitalizadas.

De acordo com o Ministério da Saúde, o leite materno é a melhor fonte de nutrição para bebês e a forma de proteção mais econômica e eficiente para diminuir as taxas de mortalidade infantil. Ele é capaz de reduzir em até 13% os índices de mortes de crianças menores de cinco anos. O aleitamento protege a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias, além de evitar o risco de desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade na vida adulta. O Ministério da Saúde recomenda a amamentação até os dois anos de idade ou mais e, de forma exclusiva, nos seis primeiros meses de vida, mesmo nas mães que tiveram casos confirmados de Covid-19.

O Dom João Becker é certificado pela Unicef e a organização Mundial da Saúde (OMS) como “Hospital Amigo da Criança”, desde 2002. Esse título é concedido a hospitais que orientam e incentivam o aleitamento materno exclusivo. “Realizamos as rodas com as mamães três vezes por semana”, comenta a supervisora do Centro Obstétrico, Joicy Costa. Além do aleitamento, as rodas são momentos para disseminar práticas que visam o bem estar das mães e o perfeito desenvolvimento dos bebês.

Um dos exemplos disso é a ultrassonografia natural. A gestante Roselaine do Nascimento recebeu a pintura no ventre, representando o seu bebê posicionado para o parto. “É a arte realizada com carinho para registrar essa experiência única, que é a gestação. Junto com as orientações, ela ganhou este carinho da equipe”, completa Joicy.

Choro do bebê

Para Roselaine, a experiência com a equipe do Centro Obstétrico e com outras mamães é muita rica. “Achei muito interessante, pois vivi um momento diferente, além daquele ambiente hospitalar normal. Achei muito dinâmico e me tranquilizou bastante”, afirma. Ela, que vive a segunda gestação, diz que teve dificuldades com a amamentação do primeiro filho e caso contasse com a orientação adequada na época talvez pudesse ampliar o período de aleitamento.

“Na roda das meninas, observei as maneiras corretas de amamentar e também aprendi que o motivo do bebê chorar não é pouca alimentação, mas sim por ainda não ter noção de como é a vida fora da barriga”, completa.

Seja no agosto dourado ou nos demais meses coloridos do ano, o Centro Obstétrico segue com a sua missão. “Nossa equipe está sempre pronta para atender as mamães de Gravataí com muita humanização”, comenta a coordenadora de enfermagem do Dom João Becker, Jaqueline Fonseca.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade