Trabalho em Home Office. Últimas alterações

Por Gilmar Brum, Advogado e Diretor Delegado do Sindilojas Gravataí.

A reforma trabalhista aprovada no ano 2017 trouxe significativas modificações no Direito do Trabalho. Entre as alterações, instituiu-se uma nova modalidade de prestação de serviços, qual seja, o regime em teletrabalho, popularmente conhecido como home office. A Medida Provisória nº 1.108, de 25 de março de 2022, entre outros assuntos, abordou novamente a prestação de serviços de forma remota, trazendo novidades e acréscimos relevantes, de interesse do empregador e do empregado.

A título de conceituação, pode-se dizer que o teletrabalho é a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, por meio de tecnologias de informação e de comunicação. Assim, no regime de teletrabalho, o empregado estará dispensado do comparecimento pessoal na empresa, realizando suas atividades externamente, em sua residência (home office), em espaço de trabalho compartilhado (coworking) ou de forma móvel.

A principal preocupação do empresário nesta modalidade de prestação de serviços diz respeito à obrigatoriedade ou não de controle de jornada e consequente dever ou não de pagar eventuais horas extras ao empregado que sequer comparece na empresa. É bom lembrar que o empregador deve organizar a sua atividade e se precaver para evitar prejuízos futuros, possuindo todos os documentos que demonstrem o cumprimento da legislação trabalhista.

Antes da Medida Provisória nº 1.108/22, a legislação sobre o tema dispensava o controle de horário, na hipótese de teletrabalho, sem fazer distinção se o serviço era prestado por jornada, por produção ou tarefa. Em outras palavras, quando o serviço era prestado de forma remota, não havia a necessidade de ter controle de frequência. Esse assunto foi amplamente debatido no mundo jurídico, uma vez que, em muitos casos, entendia-se ser possível controlar o horário trabalhado, ainda que à distância, pelos meios tecnológicos disponibilizados aos empregados. E, nesta hipótese, constitui-se obrigação da empresa o controle de jornada.

A MP em análise, por sua vez, veio a clarear um pouco mais o assunto, estabelecendo a dispensa de controle de horário somente no caso de empregado que preste serviços por produção ou tarefa. Consequentemente, para quem trabalha cumprindo uma jornada determinada ou controlável, é necessário que a empresa tenha os registros de horário. Em todos os casos, a exceção é quando o estabelecimento possuir até vinte empregados, pois estará desobrigado – porém não proibido – de fazer o controle de jornada, como autoriza o artigo 74, § 2º, da CLT.

Outra alteração interessante trazida pela Medida Provisória nº 1.108/22 é a possibilidade de prestação de serviços, pelo empregado, de forma híbrida, ou seja, parte presencial e parte por teletrabalho. Nesta nova modalidade, deverá haver controle de jornada enquanto o empregado estiver na empresa e em teletrabalho, quando a prestação de serviços for por jornada. Quando for por produção ou tarefa, a lei prevê a dispensa do registro.

Por fim, vale lembrar da necessidade de previsão contratual para que se estabeleça a prestação de serviços na modalidade de teletrabalho, devendo constar expressamente esta condição no contrato de emprego. Para os contratos em vigor, é recomendável modificá-los, mediante aditivo contratual assinado pelas duas partes.

Portanto, a principal modificação da legislação trazida pela Medida Provisória nº 1.108/22 se refere à distinção entre as formas de prestação de serviços por teletrabalho, regulando a questão da obrigatoriedade ou não do controle de jornada. Visando a uma melhor segurança jurídica para o empregador, sugere-se ter o controle de frequência devidamente documentado, sempre que possível fazê-lo, independente do número de empregados. Com isso, o empresário estará melhor gerenciando os riscos e, consequentemente, minimizando eventual passivo trabalhista.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Publicidade