Prefeitura alerta população para o aumento dos casos de esporotricose

A Vigilância Municipal em Saúde (Viemsa), setor da Prefeitura de Gravataí ligado à Secretaria Municipal da Saúde (SMS), alerta a população para o aumento dos casos de esporotricose, também conhecida como “Doença do Jardineiro”. Doença causada por fungos, que estão presentes em cascas de árvores, espinhos de plantas, palhas e na terra, e acomete, principalmente, os gatos e os humanos, mas, também, pode ser encontrada em outras espécies.

Entre os gravataienses, de acordo com dados da Viemsa, somente em 2021, 30 pessoas foram infectadas pela esporotricose. Estes números representam um aumento aproximado de 130% em relação a 2020, quando foram diagnosticados 13 casos. Já em 2019, nenhum caso foi constatado e, em 2018, apenas uma pessoa foi infectada.

O titular da SMS, Régis Fonseca, ressaltou que a conscientização das pessoas é muito importante para conter o aumento dos casos de esporotricose. “Ao se contaminar, é muito importante que as pessoas procurem atendimento em nossas unidades de saúde, o mais rápido possível. Desta forma, o município pode prestar o atendimento ágil e correto ao infectado.”

Conforme a coordenadora da Vigilância em Saúde de Gravataí, Vanessa Prates, o diagnóstico precoce é fundamental, principalmente, pelos altos índices de recuperação nestes casos. A coordenadora, também, informou que o município está preparado para atender a população e orientar a respeito do tratamento dos animais, que, em hipótese nenhuma, devem ser abandonados. “Em caso de suspeita de infecção, os tutores devem entrar em contato com a Unidade de Saúde Animal.”

A esporotricose

Existem algumas formas de contaminação com a esporotricose. Entre os humanos, ao ter algum tipo de ferimento, podemos ser infectados ao manusear o solo ou vegetação. Acidentes durante o manejo ou arranhadura de um animal infectado também podem ser formas de transmissão do fungo. Já os gatos acabam se infectando ao afiar as garras ou cavar a terra e ao brigar com um animal infectado.

Uma das formas mais efetivas de conter a doença em nossos animais é a castração, pois resulta na diminuição de brigas entre os mesmos. Embora tenha cura, o diagnóstico e o tratamento precoce são primordiais para a recuperação dos afetados. No desenvolvimento inicial da lesão, o infectado apresenta lesões na pele, bem similares a uma picada de inseto.

Em caso de suspeita, os acometidos devem entrar em contato com a Viemsa pelo telefone 3600-7740. Caso o suspeito seja um animal, o tutor deve contatar a Unidade de Saúde Animal de Gravataí (USAG) Priscilla Bittencourt pelos números 3191-4947 ou 99226-5955.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade