Café com Negócios destaca a mobilização contra o pedágio na 118

Durante uma live, realizada nesta quarta-feira (22/6), participantes relataram impactos que a instalação da praça traria à região

Priscila Milán

Na manhã desta quarta-feira (22/6), a Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Gravataí (Acigra) promoveu mais uma edição on-line do Café com Negócios, com transmissão pelo Facebook e YouTube. Desta vez, o tema em discussão foi a mobilização contra a instalação de uma praça de pedágio na RS-118, em trecho não duplicado entre Gravataí e Viamão.

Na abertura da live, a presidente da Acigra e o vice, Ana Cristina Pastro Pereira e Régis Albino Marques Gomes, destacaram que a instituição é contrária ao projeto e considera uma vitória o governador Ranolfo Vieira Júnior ter suspendido a publicação do edital de concessão há algumas semanas. Contudo, a possibilidade segue em estudo pelo Governo do Estado, o que leva o Movimento RS-118 Sem Pedágio a se manter atuante na causa.

“Essa é uma zona urbana e não deve ter pedágio. Isso teria um impacto negativo para muitas pessoas”, disse Ana Cristina, exemplificando que tanto os empresários como os colaboradores seriam prejudicados com a cobrança no local. O aspecto também foi salientado por Régis, que chamou à atenção para o fato da rodovia contar com diversos empreendimentos, em especial centros de logística. “Corremos o risco dessas empresas saírem daqui”, afirmou.

Na reunião, a Acigra ressaltou que não é contrária às privatizações, porém avalia que um pedágio atrasaria o desenvolvimento da região. Ao longo da conversa, esse ponto foi comentado pelos demais participantes. “O pedágio na RS-118 representaria 28% da arrecadação. Quer dizer, cobra-se ali para investir em outras rodovias. Isso é inapropriado”, alertou o diretor de Infraestrutura da Federação das Empresas de Logística e de Transporte de Cargas no RS (Fetransul), Paulo Ziegler.

“A comunidade gravataiense é contra o pedágio. Circulamos pelos quatro cantos da cidade e não conseguimos encontrar ninguém que seja a favor. Temos mais de cinco mil assinaturas contra o pedágio. Nós, que pensamos no desenvolvimento da cidade, sabemos que isso pode trazer muitos prejuízos. Temos que renegar um passado que não trouxe benefícios para as nossas rodovias”, argumentou o vereador Paulo Silveira ao fazer referência a dados trazidos por Ziegler sobre projetos de instalação de praças de pedágios em outras gestões estaduais.

Paulo Silveira, que é o coordenador da Frente Parlamentar de Gravataí contra o Pedágio, apontou que a mobilização tem o apoio dos outros municípios que seriam impactados e o grupo permanecerá “nessa batalha”. Para o coordenador do Movimento RS-118 Sem Pedágio, Darcy Zottis, o recuo do Governo do Estado quanto ao edital de concessão é “uma vitória parcial” e as ações de contrariedade ao projeto devem continuar. “É um plano de negócios que comprometeria o desenvolvimento da Região Metropolitana”, sintetiza.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Publicidade