Zaffalon participa de ato de instalação de comissão sobre Transporte Público Metropolitano

O prefeito Luiz Zaffalon participou, no final da manhã desta quarta-feira, 9, da Comissão Especial para tratar do Transporte Público Metropolitano na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul (ALRS). A iniciativa partiu da deputada Patrícia Alba, que presidirá o novo colegiado. A instalação foi realizada pelo presidente da ALRS, Valdeci Oliveira. Gravataí, por ter encontrado uma forma de enfrentar o problema do transporte público municipal, reduzindo a passagem e fomentando o uso do sistema, foi exemplo apresentado no ato.

Em sua fala, o prefeito Zaffa lembrou que a solução encontrada em Gravataí vai beneficiar não apenas os usuários do sistema de transporte com a redução da passagem e com melhorias na qualidade do serviço, mas, também, os empregadores, desonerando a folha e garantindo mais competitividade ao município na atração de novos investimentos e na geração de empregos. “Acabamos com o círculo vicioso que aumentava a passagem e esvaziava os ônibus e iniciamos um círculo virtuoso, no qual injetamos pessoas e, assim, melhoramos o serviço.”

Zaffa ainda colocou a expertise de Gravataí à disposição da comissão, assim como o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Adão de Castro Júnior, que está à frente do processo no município. Com prazo regimental de 120 dias para concluir os trabalhos, a comissão especial deverá fazer um diagnóstico da situação do transporte público metropolitano e buscar alternativas para evitar o colapso do sistema. Citando o levantamento do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Patrícia Alba afirmou que, de 2015 a 2019, o transporte público metropolitano perdeu 4 milhões de passageiros e que, no ápice da pandemia, houve uma redução de 10% na demanda. “É um cenário insustentável para a manutenção do sistema com reflexos direto para os trabalhadores e cidadãos de baixa renda”, alertou a parlamentar.

Ao sustentar que não cabem mais soluções provisórias para o problema, Patrícia lembrou que o subsídio da tarifa já vem sendo largamente utilizado por outros países. Muitas nações europeias, segundo ela, já destinam aportes superiores a 50% do valor da passagem. Citou também o exemplo de Gravataí, que reduziu a tarifa de R$ 4,80 para R$ 3,70 para atrair passageiros e manter o sistema em funcionamento. “O transporte coletivo é um direito constitucional. Por isso, precisamos nos debruçar e chegar a uma solução que não seja provisória e ofereça segurança, especialmente, para quem mais precisa”, enfatizou.

Além de colocar a estrutura da Casa à disposição da comissão, o presidente do Parlamento gaúcho, Valdeci Oliveira, defendeu a necessidade de formulação de uma “política de Estado” para enfrentar os problemas do transporte coletivo, que se agravaram durante a pandemia. “Precisamos promover uma mudança profunda nesta área, que deve ser tratada como uma prioridade ao lado da Educação, da Saúde e da Segurança. Transporte público não deve ser encarado como custo, mas como investimento”, argumentou.

Participaram do ato de instalação, que ocorreu em formato híbrido no Salão Júlio de Castilhos, o prefeito de Sapucaia do Sul, Volmir Rodrigues, representando a Granpal (Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre), secretários municipais, representantes de empresas e lideranças políticas de diversos municípios gaúchos.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Publicidade