Por senador da República, Paulo Paim (PT-RS)

Neste 1º de maio – Dia do Trabalhador e da Trabalhadora –, caminhemos juntos rumo à unidade das forças progressistas, populares e humanitárias. Os problemas do Brasil só serão resolvidos a partir desse entendimento.

Sentimos as dores de uma reforma trabalhista que fragilizou a situação de milhões de pessoas, desconstruindo avanços sociais, que foram alcançados a duras penas. Ela não gerou um emprego sequer, conforme argumentavam.

O país possui hoje cerca de 12 milhões de desempregados e 35 milhões no trabalho informal; são 4 milhões de desalentados que perderam a esperança de conseguir uma colocação.

Os pobres ficaram mais pobres e a concentração de renda aumentou. Mais da metade da população brasileira vive na miséria e na pobreza. A insegurança alimentar atinge mais de 100 milhões. Outros 20 milhões passam fome todos os dias.

Na pandemia da Covid-19, várias empresas estrangeiras deixaram o país, com o argumento dos riscos da economia brasileira. Somente em 2020, mais de 5 mil empresas nacionais fecharam as portas. Foi um enorme baque, que sentimos até hoje.

Neste período da crise sanitária, propomos alguns encaminhamentos, como a ampliação do seguro- desemprego e emendas a projetos para garantir a sobrevivência das micro e pequenas empresas, que geram 60% dos empregos e representam 25% do PIB nacional.

Enfrentamos ainda um elevado número de acidentes de trabalho. O último Anuário Estatístico do INSS, de 2020, registrou mais de 500 mil acidentes de trabalho. Contra esses números lamentáveis, a prevenção é o melhor caminho.

A inflação tem corroído o salário do trabalhador e da trabalhadora. Há enorme perda de renda. O aumento do custo de vida não está perdoando ninguém. A crise atinge a todos, de ponta a ponta, do campo à cidade.

Quando a balança pende para um lado, por óbvio, tudo se fragiliza. A sociedade absorve a desarmonia em variáveis complexas do seu próprio funcionamento. Os que têm menos continuam a ter menos e os que têm mais continuam a ter mais ainda.

A saída para a atual crise está numa concertação nacional, de forma justa e igualitária, harmônica na sua totalidade, que garanta os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras, bem como condições mínimas para o setor produtivo se desenvolver.

Em 2022 teremos eleições – a mais importante das nossas vidas. As mudanças estão em nossas mãos. Deixemos as disputas internas e as vaidades para trás. O que vale é a certeza do horizonte que temos pela frente para mudar o país.

Alguns pontos precisam pautar as nossas discussões: retorno da Política Nacional de Valorização do Salário Mínimo; repensar a reforma trabalhista. Destaco que o projeto do novo Estatuto do Trabalho está tramitando no Congresso.

Novas profissões estão surgindo. Os motoboys não têm direitos assegurados e seus salários são baixíssimos. A “uberização” é avassaladora. O que fazer com essa perspectiva do mundo do trabalho? O chamado “home office” é uma realidade. Qual a nossa visão sobre ele? Temos que regulamentá-lo? Enfim, os desafios são enormes.

O Brasil tem sérios problemas de infraestrutura, uma das bases para o crescimento e o desenvolvimento. Investimos muito pouco e mal. O nosso parque industrial, segundo especialistas, está sucateado. É urgente uma reforma tributária solidária e progressiva.

Quem age conforme a voz do coração não perde a essência e nem o jeito de navegar, não tem medo de atravessar o rio. Vamos deixar que os fluídos espirituais da esperança sejam os nossos guias, fazendo a boa luta com a indignação das nossas consciências.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade