Programa estratégico de planejamento sexual e reprodutivo é apresentado

A Prefeitura de Gravataí, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), apresentou, na sexta-feira (27/5), um programa estratégico de aconselhamento, planejamento sexual e reprodutivo. O objetivo do projeto é garantir e ampliar a oferta de métodos contraceptivos com a finalidade de qualificar a disponibilização dos medicamentos no âmbito municipal.

“A gente tem muito a comemorar a implementação de um programa desse alcance. Do ponto de vista social, é extremamente importante uma política pública nesse sentido. Representa um avanço muito grande”, destacou o prefeito Luiz Zaffalon.

O mandatário lembrou que Gravataí investe 23% do orçamento municipal em saúde, acima dos 15% previstos em lei, medida adotada ainda durante o governo do ex-prefeito Marco Alba.

De acordo com o secretário municipal da Saúde, Régis Fonseca, o programa é bastante significativo para os gravataienses, visto que irá fornecer aos munícipes os melhores equipamentos possíveis. “É fundamental para a vida em sociedade, pois é uma ação que envolve tanto os homens quanto as mulheres. Seremos um exemplo para o Estado e para o Brasil”, disse.

Este ano, por exemplo, a SMS retomou as vasectomias após dois anos. Segundo o médico ginecologista da SMS Marcelo Leone, os médicos das unidades de saúde, ainda durante a pandemia de covid-19, foram treinados para a implantação dos métodos contraceptivos. Em 2020, ao menos 350 dispositivos intrauterinos (DIUs) de cobre foram colocados nas mulheres. No ano seguinte, 400 destes foram implantados. No mesmo período, 500 implantes subcutâneos hormonais foram aplicados, frente a 350 no ano anterior.

“É um método que, apenas, quem tinha convênio, tinha direito. Agora, vamos estender essa opção para as mulheres que utilizam o SUS. Gravataí dá esse importante passo, representando um legado de vida que deixamos para o município”, salientou o médico.

Marcelo reforçou que, com a adoção desses métodos contraceptivos, uma série de mudanças positivas tende a acontecer a médio e longo prazos. Entre eles, a diminuição dos índices de feminicídio e de criminalidade, a redução nos indicadores de violência doméstica e o fornecimento de vidas mais dignas às mulheres.

Para a coordenadora dos Serviços e Ações Programáticas Estratégicas (SAPE), Juliana Fontoura, essa política pública é importante para que a individualidade de cada paciente seja respeitada, considerando a escolha do melhor método em uma decisão tomada em conjunto, entre paciente e profissional de saúde.

Acesso a mais pessoas

As ações de ampliação de métodos contraceptivos irão permitir o acesso a mais pessoas, especialmente aquelas em vulnerabilidade social. De acordo com a coordenadora do Centro Municipal de Saúde (CMS), Silvia Andrade, a implantação dos medicamentos já havia sido realizada no local no ano passado.

Além destas, os diversos métodos já existentes e disponíveis pela rede de saúde municipal têm como público-alvo homens e mulheres a partir do início da vida sexual, mulheres a partir de 16 anos com vida sexual ativa e homens e mulheres a partir de 25 anos e, no mínimo, 2 filhos vivos.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Publicidade