Produção de melado garantiu o doce junino em Santo Antônio da Patrulha

O município é conhecido como a terra da cachaça, do sonho e da rapadura e essa é uma das melhores épocas do ano para as vendas do doce que tem a cara de São João.
Mas o segredo para garantir uma rapadura que dá água na boca vem lá da roça, do cozimento do caldo da cana que é transformado em melado. “É isso que dá o sabor gostoso da rapadura”, garante o agricultor João Jair Pinto, 53 anos, que há quase três décadas se dedica ao plantio de cana e produção do melado.
Produtor da localidade de Roça Grande, no Terceiro Distrito, a agroindústria de Pinto faz parte do grupo de 16 empreendimentos rurais que integram o Programa Estadual de Agroindústria Familiar. Elas transformam a cana de açúcar em melado, açúcar mascavo e rapaduras e são atendidas pela Emater, em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Sindicato Rural e a Universidade Federal do Rio Grande (FURG).
Conforme o técnico da Emater Flademir Heleno Schmidt, existe uma área de 1,2 mil hectares de cana no município, onde 400 são para transformação nas agroindústrias e os outros 800 hectares são utilizados para alimentar os animais.
A produtividade é de 80 toneladas por hectare, sendo que uma tonelada de cana produz 125 quilos de melado ou 90 quilos de açúcar mascavo.
Segundo Schmidt, a variedade mais plantada é a napa paulista. A comercialização do melado e do açúcar mascavo, é realizada na feira do produtor, na Expointer, na alimentação escolar e nos mercados da grande Porto Alegre e Vale dos Sinos.
A safra da cana começa em abril e vai até outubro, sendo o pico da produção no mês de junho.
“Devido a realização das festas juninas, há um aumento no consumo das rapaduras e seus derivados”, diz o técnico. Já o amendoim utilizado na rapadura é comprado do Estado de São Paulo.
O produtor João Jair Pinto, ao lado da esposa Maria Nelci Pinto, cultiva entre nove e dez hectares de cana.
De acordo com ele, a colheita começou em maio e deve seguir até o final do ano. “Às vezes a gente produz o ano todo”, conta.
Cerca de 90% da sua produção é destinada para a maior empresa produtora de rapaduras da cidade. A agroindústria está legalizada e possui alvará sanitário e licenciamento ambiental.
O produtor explica que, logo após o corte da cana, é preciso fazer a garapa para que possa ser levada ao fogo para o cozimento, em um panelão.

CUSTO DE PRODUÇÃO
É preciso de quatro a quatro horas e meia de fogo para a garapa ser transformada em melado. A cada tacho são produzidas entre 125 a 130 quilos, que depois são armazenadas em bombonas para serem levadas à indústria. A tração animal é utilizada para transportar a cana para o engenho pelos agricultores.
Segundo Pinto, com a pandemia os custos de produção subiram, entre eles o valor da madeira. “O preço do melado não conseguiu acompanhar. Está meio defasado, mas esperamos que melhore”, diz.

Texto por Débora Ertel/Jornal NH

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade