Permanência da UTI no Hospital de Santo Antônio da Patrulha da Santa Casa depende do Estado

A possibilidade de que seja efetivada a UTI em Santo Antônio da Patrulha, que hoje tem 10 leitos provisórios para Covid, com contrato até setembro deste ano, vai depender dos entendimentos entre o Estado e a Prefeitura Municipal.
O prefeito Rodrigo Massulo disse ter falado com o Estado, para que consiga a permanência do atual sistema de UTI pelo menos até o final deste ano.
“Já manifestamos ao Estado o interesse de permanência, mas isso não depende do município, mas do entendimento do Estado do Rio Grande do Sul de que é estratégico para a região, termos leitos permanentes de forma clínica”, disse Rodrigo Massulo.
No entanto, se isso ocorrer, vai mudar a configuração, porque deverá ser feito um novo estudo. Mas, de qualquer forma, findo o contrato, os leitos precisam ser desabilitados, porque será outra estrutura é outro patamar para leito clínico. “Até mesmo o valor que o SUS repassa, é diferente”, afirma Massulo, revelando que no caso do leito para Covid, o valor é de R$ 1.600,00/dia e no leito clínico, cai para menos de R$ 500,00/dia. Por isso, é feito todo um estudo pela Secretaria Estadual da Saúde para ver da viabilidade, ou não, de leitos clínicos de UTI em caráter permanente no Hospital de Santo Antônio da Patrulha.
O Município tem interesse e o hospital também. Tanto que lançou uma campanha de arrecadação de fundos nesse sentido. Até mesmo uma ala já está sendo projetada para ser destinada à UTI permanente.
Em outros municípios, os leitos para Covid já foram desabilitados, mas não é o caso de Santo Antônio, onde a UTI está quase sempre praticamente lotada, mas por internar pacientes, em sua maioria, de outros municípios.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade