Cia Teatral Una, de Gravataí, apresenta espetáculo inédito que conta a história de Rodolfo, idoso que desde cedo se descobriu artista

Com estreia 1º de outubro, a Cia Teatral Una apresentará o espetáculo teatral “Il Vecchio” (O Velho, em italiano). A peça conta a história do velho Rodolfo, personagem fictício que narra sua trajetória de vida em meio à arte e o mal de Alzheimer. A apresentação foi gravada no Teatro Sesc Gravataí e será disponibilizada gratuitamente ao público através das redes sociais e canal no Youtube da companhia. 

Trazendo uma nova proposta em relação aos trabalhos anteriores da Cia, a Una se viu motivada a retratar a arte na perspectiva da velhice. A escolha do tema deu-se em meados de 2018, após o diretor do espetáculo, Israel Rosa, e alguns atores debateram despretensiosamente sobre Alzheimer e sua relação com os idosos da família acometidos pela doença. 

A construção do personagem central e de sua trajetória de vida será baseada, portanto, nas experiências dos atores com familiares e pessoas próximas, além de relatos coletados com idosos em asilos de Gravataí. “Além das histórias que conhecemos, queremos montar o personagem nos baseando em momentos e histórias de pessoas reais que convivem diariamente com a doença. Claro que respeitando muito o espaço do idoso e o que devemos usar ou não no nosso roteiro”, declara Israel. 

Para a coleta de informações, as entrevistas foram registradas em áudio e vídeo e, depois, transcritas e inseridas ao texto final e na preparação dos atores. Juliano Bittencourt é o ator que representará Rodolfo e participou das entrevistas. Ele destaca a importância de experimentar esse momento. “Para mim a vivência com os idosos será fundamental para a preparação do personagem, permitindo saber das histórias que ainda lembram e como nos contam elas, as marcas que o Alzheimer deixa nessas pessoas e nas suas famílias e também a percepção dos profissionais que trabalham diariamente com eles”, destaca. 

Ao falar sobre Rodolfo, Israel o descreve como um homem simples que se percebe artista desde muito cedo e tem sua escolha profissional questionada pela família. Isso o faz sair de casa e ganhar o mundo em busca do seu futuro através da arte. 

O diretor da peça destaca ainda a importância e o papel da arte no tratamento de doenças senis. “Já viu aquele vídeo da bailarina? Mesmo com Alzheimer e depois de muitos anos ela ainda se lembra da coreografia do espetáculo do Cisne Negro. Acho incrível essa força que a dança, o teatro e a música têm na gente, pois mesmo com a memória enfraquecida a coreografia ainda se faz presente na vida da artista”. O vídeo ao qual Israel faz menção foi produzido em 2019 com a bailarina espanhola Marta Cinta, no asilo onde residia. No trecho, a bailarina ouve a música clássica da coreografia do Lago dos Cisnes e ensaia alguns passos, mesmo já debilitada e numa cadeira de rodas. 

Perpassando dificuldades, arte e amor, o espetáculo “Il Vecchio” apresenta ao público a vida e obra de Rodolfo para abordar os desafios da “melhor idade” e do Alzheimer de forma leve e lúdica, mas de forma alguma menos séria. 

A Companhia Teatral Una, de Gravataí, atua desde 2012, ano que ganhou o 1º Edital do Fundo Municipal de Cultura com o espetáculo infantil “Os Mochileiros”. Desde então, a Cia atua com apresentações de teatro, música e contação de histórias.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade