Município de Osório continua proibido de jogar efluentes da ETE na Lagoa dos Barros

A Juíza titular da 2ª Vara Cível da Comarca de Santo Antônio da Patrulha proferiu nova decisão a favor do município, na questão relacionada com a insistência do município de Osório em voltar a despejar nas águas da Lagoa dos Barros, os efluentes vindos da Estação de Tratamento de Esgotos daquele município.
O advogado do Município que vem há alguns anos lutando na Justiça para impedir que o esgoto seja jogado naquelas águas, classificou a medida tomada pela dra. Mariana Aguirres Fachel como “uma das decisões mais significativas e de real proteção ao meio ambiente, após a concessão da suspensão do funcionamento da ETE Osório, nos autos do processo ajuizado contra a FEPAM e o Município de Osório”.

SEM RESPOSTA

Explica o dr. Luciano Oliveira de Amorim que o Município de Santo Antônio da Patrulha, como gestor do Parque Municipal Manoel de Barros Pereira já havia apresentado duas petições, com mais de 300 páginas perante à FEPAM, não autorizando a renovação da Licença de Operação da ETE Osório. “Tais petições e requerimentos nunca foram respondidos pela FEPAM, que sempre desconsiderou o Gestor do Parque de proteção integral”, afirma.
Acrescenta Amorim que além disso, o Município de Santo Antônio da Patrulha vem desde 2018, quando foi proposto o recurso de apelação, requerendo que a FEPAM consultasse tanto o IBAMA com o Sistema Estadual e Nacional de Recursos Hídricos sobre a proteção da Lagoa dos Barros “ante o funcionamento ilegal, danoso e poluente da ETE Osório, o que também nunca foi realizada pela FEPAM”.
SUSPENSÃO DA ETE MANTIDA

Afirma o advogado que “agora, no processo ajuizado pelo Município contra a FEPAM e o Município de Osório (sendo que o Município também ajuizou uma ação contra a CORSAN), a Dra. Juíza acatou todos esses pedidos propostos pelo Município, mantendo a liminar de suspensão do funcionamento da ETE Osório e determinando que a FEPAM seja intimada “para que cumpra a decisão do gestor do Parque pela não concessão de renovação da licença de operação bem como para que a FEPAM envie resposta formal às manifestações e requerimentos propostos por este Município no processo administrativo nº 000165-0567/19.4 que trata da renovação da LO”.

QUE FEPAM E IBAMA SE MANIFESTEM

Além disso – prossegue Luciano Amorim, “determinou que seja oficiado à FEPAM “… para que informe e consulte a outros órgãos como o IBAMA, o Comitê Estadual da Reserva da Biosfera (conforme art. 4º da Resolução nº 428/2010 do CONAMA), os órgãos de proteção à Bacia Hidrográfica onde está localizada a lagoa, como o Sistema Nacional e Estadual de Recursos Hídricos, o Sistema Estadual de Recursos Hídricos, responsáveis pela administração, controle e fiscalização da unidade de conservação, da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, conforme obrigação legal prevista no disposto no caput do art. 236, 237, 238 e 239 do Código Estadual do Meio Ambiente, bem como que consulte o Comitê da Bacia Hidrográfica do Litoral Norte sobre o projeto de saneamento básico e da construção e funcionamento da ETE Osório, para que contribuam no processo nº 000165-0567/19-4 que tramita atualmente na FEPAM, trazendo dados, cálculos, análises, pareceres e manifestações sobre a ETE-Osório, seu atual funcionamento e os impactos e danos que serão causados ao meio ambiente e especialmente à Lagoa dos Barros”.

GRANDE DECISÃO

Amorim qualifica a medida da Magistrada como “uma grande decisão e que visa dar legalidade às graves violações ilegais cometidas pela CORSAN, FEPAM e o Município de Osório desde a construção, a concessão das três licenças ambientais ilegais (conforme já decidiu o Tribunal de Justiça do RS) e o funcionamento da ETE Osório, incluindo órgãos e sistemas estaduais e nacionais de proteção de recurso hídrico, pois a Lagoa dos Barros além de conter um parque de preservação ambiental, é zona de amortecimento da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, ambos desconsiderados tanto no licenciamento ambiental, na sentença do processo principal e no funcionamento da ETE Osório”.

UNIVERSIDADE DO RIO DE JANEIRO

O advogado dr. Luciano Oliveira de Amorim finaliza afirmando que o Município de Santo Antônio da Patrulha está providenciando a contratação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro que virá com um corpo técnico constituído de doutores e pós-doutores para estudar a Lagoa dos Barros e produzir, finalmente, um estudo científico sério e isento sobre as condições da Lagoa e os danos já sofridos pelo funcionamento da ETE Osório até a decisão judicial da Juíza que aplicando a CF/88 e as Leis Ambientais, está protegendo realmente a Lagoa dos Barros que é um recurso ambiental de todos os brasileiros, gaúchos e patrulhenses.

A LUTA CONTINUA

“Há muita luta pela frente, mas o Município e todos os apoiadores, advogados e técnicos, continuarão lutando para preservar a Lagoa dos Barros, sendo que o Poder Judiciário está proferindo decisões para realmente proteger o meio ambiente”, conclui.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade