MORADORES DE RUA: Secretária fala sobre o que tem sido feito para minimizar este problema social

A situação dos moradores de rua preocupa a todos. Por isso, a reportagem da FOLHA PATRULHENSE foi conversar com a Secretária do Trabalho e Assistência Social Gerusa Silveira para explicar o que tem sido feito para buscar solucionar este problema social. Esta, é a primeira de uma série de duas reportagens a respeito.
O trabalho que a titular daquela Pasta do governo municipal vem sendo desenvolvido é digno de elogios.
Cursando Assistência Social, ela tem desempenhado uma atividade incansável nos setores a ela afetos, como é o caso dos moradores de rua.
É público que pessoas dos mais diferentes pontos do Estado e que preferem morar na rua, vêm parar em Santo Antônio, porque nos contatos que eles mantém ao longo de suas caminhadas, terminam sabendo que aqui existe um albergue e uma situação até certo ponto tranquila, porque, morando na rua que foi o modus vivendi por eles escolhido por razões diversas, porém terminam, muitas vezes, causando preocupações à pessoas que são moradoras da comunidade.
DIREITOS E OBRIGAÇÕES
E por isso Gerusa exerce um papel importante. “Não podemos proibi-los de ficarem nas praças, ou dormirem nas calçadas, mas eles precisam saber que os direitos deles vão até onde começam os de todo e qualquer cidadão”.
Um dos sérios problemas, o qual conseguiu resolver quase que totalmente, é o dos pedintes nas sinaleiras. Ela sabe perfeitamente qual é o destino da esmola que pedem especialmente aos motoristas e entende a importância da conscientização da população. Em razão disso, estaremos lançando campanha nas redes sociais com o objetivo de conscientização.
ALBERGUE
No entanto, procura conscientizá-los de que essa situação não pode continuar.
O albergue dispõe de 14 vagas, duas das quais, femininas, é que ali podem pernoitar, sendo servidas também refeições. Quem ali é recebido, primeiro toma banho em chuveiros que são separados para homens e mulheres, para depois se alimentarem. Após, os homens ocupam camas em uma dependência e as mulheres, em outra.
Pela manhã, após o café, voltam para a sua rotina de rua.
Na próxima edição estaremos falando sobre as oportunidades oferecidas através do abrigo institucional.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade