Jairo Reis comemora seus 25 anos de Rádio

O patrulhense e produtor de eventos nativistas Jairo Reis, completará no mês de abril deste ano, 25 anos de Rádio.
Jairo, que tem recebido numerosos cumprimentos por esta marca tão importante na Radiodifusão, recorda que sua primeira investida no Rádio aconteceu na antiga Sulina, hoje Itapuí, quando tinha 15 anos e fez um teste para locutor, fez um rápido estágio, mas terminou não sendo aprovado.
Jairo relata que ficou desapontado, permanecendo 22 anos exercendo outras atividades
Mas aquela gratificante experiência, embora efêmera – recorda Jairo – deixou adormecida na minha alma e no meu coração, uma pequenina brasa que, ao encontrar a aragem litorânea de Osório, 22 anos depois, revigorou-se, gerando a faísca que reacendeu a flama do Rádio em minha vida. E é justamente este renascer da chama que eu considero como o efetivo início da minha carreira no rádio.
Em janeiro de 1997, eu morava em Osório e já trabalhava como agente comercial da Rádio Osório e do Jornal Painel. Entre uma e outra venda de anúncios, eu tirava um tempinho para escrever sobre cultura gaúcha. Em fevereiro eu já assinava uma coluna intitulada “Pelo Rio Grande…”, no Jornal Painel, onde eu falava sobre gauchismo e nativismo. No final de março, o saudoso empresário e radialista Pedro Farias, diretor da Rádio Osório e leitor contumaz da coluna “Pelo Rio Grande…”, convidou-me para integrar a equipe de profissionais que realizaria a transmissão ao vivo da 9ª Tafona da Canção Nativa, nos dias 03, 04 e 05 de abril daquele ano. Convite aceito, lá estava eu, empunhando pela primeira vez o microfone da Rádio Osório, na função de comentarista. Era uma quinta-feira, 03 de abril de 1997, data que eu considero como o marco inicial da minha caminhada como profissional de rádio”.
Naquela emissora, Jairo Reis participou de coberturas jornalísticas de Festivais, Rodeios, desfiles de carnaval, desfiles da Semana da Pátria, desfiles farroupilhas, eleições e de muitos outros eventos. Jairo permaneceu naquela emissora até novembro de 2000, quando mudou-se para Porto Alegre para trabalhar na Rádio Rural AM 1120, à convite de seu coordenador à época, o jornalista e cantor Victor Hugo, amigo de longa data.
NA EXTINTA RÁDIO RURAL
Designado para integrar a equipe de externas da Rural, começou a participar de transmissões de festivais de música e de poesia que, felizmente, ainda acontecem no Rio Grande do Sul e até mesmo em Santa Catarina.
A primeira transmissão da qual participou como integrante do elenco da Rádio Rural foi, por coincidência, da Tafona da Canção Nativa, 13ª edição, realizada no mês de abril de 2001, também na cidade de Osório. “Naquela ocasião, ocupei o posto de repórter de bastidores, tendo como âncora o colega Paulo Mendonça e como técnico de externas, o mestre Alcides Farias, já falecido”.
As suas participações nas transmissões ao vivo da Rural tornaram-se cada vez mais frequentes formando parcerias com diversos profissionais.
UMA COLEGA MUITO ESPECIAL
Dentre tantos colegas de transmissões, Jairo Reis cita a comunicadora, jornalista e cantora Shana Müller, com ela trabalhando por cerca de quatro anos. Lembra que a primeira ação conjunta com a famosa comunicadora foi em sua terra natal, Santo Antônio da Patrulha, na transmissão da 16ª Moenda da Canção de Santo Antônio da Patrulha, em agosto de 2002. A derradeira foi no 21º Carijo da Canção Gaúcha, realizado em maio de 2006, na cidade de Palmeira das Missões.
Jairo Reis atuava também como agente comercial no Jornal do Nativismo administrado por Paulo de Freitas Mendonça, sendo que naquele jornal assinou a coluna Mangrulho, mais tarde rebatizada de “Do litoral à fronteira”
Foi com esta denominação que passou a produzir e apresentar um programa na Rádio Rural aos sábados das 15h às 18 h.
OUTROS PROGRAMAS
“Com o passar do tempo, tive a satisfação de também apresentar os programas: “Prosa de Galpão”, “Noite Gaúcha”, “Entrevero Rural” e “Ronda dos Festivais”, até agosto de 2013, quando a iminente extinção da emissora precipitou o meu desligamento do Grupo RBS”.
GRUPO BANDEIRANTES
“Quatro meses depois já integrava o elenco de comunicadores do Grupo Bandeirantes de Porto Alegre. Na Rádio Bandeirantes AM/FM, eu produzi e comandei o programa “Do Litoral à Fronteira”, de novembro de 2013 até fevereiro de 2019, aos domingos, da 6h as 8h da manhã, quase sempre ao vivo.
A partir de março de 2019, desenvolvi meu ofício de radialista na Rádio Metrópole de Gravataí, onde tive uma meteórica passagem até agosto do mesmo ano”.
RONDA DOS FESTIVAIS
Em dezembro de 2019, passou a produzir e apresentar o Programa Ronda dos Festivais, que gravava e enviava para dezenas de emissoras.
“A abrangência conquistada pelo programa, incentivou-me a retomar as transmissões de festivais, desta feita por intermédio da Rede Campo Afora, liderada pelo meu colega, amigo e conterrâneo Odilon Ramos”.
No início de 2021, mudou o nome da atração para Programa Gente Gaúcha, a partir de então, reproduzido por 50 estações de rádio de cinco estados brasileiros.
Jairo Reis também teve uma participação em vídeo, ao apresentar semanalmente o programa Gente Gaúcha, na Web TV Mercado Rural.
NO INTER
“Em 2011, aceitei o convite da direção do Sport Club Internacional, para apresentar um programa gauchesco na Rádio Inter. Durante seis meses, capitaneei o programa “Rio Grande Vermelho”, às terças-feiras, das 20h às 22h na emissora oficial do clube”.
Jairo Reis, no dia três de abril, coincidentemente no aniversário do município de Santo Antônio da Patrulha, estará comemorando suas Bodas de Prata no Rádio e por isso sente-se agradecido por todas as oportunidades obtidas e agradecendo também ao “Patrão Velho”, pelo privilégio de se constituir em um dos mais conhecidos profissionais do Rádio gaúcho, notadamente no Nativismo.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Publicidade