Hospital abre bloco cirúrgico para hospitalizar doentes graves

Uma decisão tomada no domingo (27/02), comprova a gravidade da situação provocada pelo agravamento da pandemia: o bloco cirúrgico do Hospital Santo Antônio da Patrulha, da Santa Casa, foi aberto para internação de doentes graves pois a situação está beirando o colapso, tal o volume de pacientes que procuram diariamente o hospital.
A administração do hospital confirmou também que, devido ao alto fluxo de pacientes infectados pelo Covid-19 – com uma média de 115 pessoas procurando diariamente aquela instituição hospitalar em função do agravamento da pandemia – houve um aumento nos leitos para Covid, passando de 17 para 33.
A administração reforça o apelo para que todos tenham o máximo de cuidado, usando máscaras, higienizando as mãos e mantendo o distanciamento social para tentar frear o avanço da pandemia que está sendo mais preocupante do que nunca.
Os administradores Rúbia Wingert e o dr. Joaquim Dellamora Melo apelam encarecidamente para que todos sigam os protocolos sanitários, pois é desta forma que conseguiremos superar essa fase difícil que todos estamos vivendo.
“Estamos com alto fluxo de pacientes. Com a abertura nos finais de semana da Unidade Sentinela, conseguimos melhorar os atendimentos dos pacientes mais graves, especialmente agora com as internações também no bloco cirúrgico”, afirma a administração do Hospital Santo Antônio da Patrulha da Santa Casa de Misericórdia.

UTI

Relativamente à implantação de uma UTI no hospital Santo Antônio, medida que tem sido reivindicada pela população, tanto Rúbia como o diretor técnico, Dr. Joaquim Dellamora, afirmam que “para montarmos uma UTI é, necessário uma estrutura especializada com recursos tecnológicos e técnicos específicos. Não possuímos esta estrutura no momento. Devido a isso, SAP auxiliou na implementação dos leitos da UTI de Osório”. Ambos explicam que não são somente os leitos, mas também são necessários especialistas de diversas áreas, como cirurgiões, intensivistas e neurologistas atuando 24 horas por dia. “O hospital teria que ser de alta complexidade e, devido à nossa estrutura, somos considerados de média complexidade”.
Explica a administração que, para tanto, “o hospital precisaria ser todo reestruturado, e para isso acontecer, deveria haver demanda deste porte por todo o ano e não somente no período de pandemia, uma vez que o custo mensal é extremamente alto”.

PACIENTES JOVENS

Outro fator que está sendo observado é que a doença está num nível mais grave, infectando pacientes mais jovens, sendo que os últimos óbitos se situaram na faixa etária entre os 40 e os 50 anos.
“Acreditamos, principalmente aqui no litoral, que as aglomerações do verão contribuíram muito para este aumento exponencial dos casos. O reflexo das comemorações de Carnaval ainda vamos receber nos próximos dias, pois observamos que a manifestação do vírus se dá durante os próximos 15 dias dos eventos que tiveram aglomerações”, destacam Rúbia e Joaquim Dellamora.
Por isso, reforçam as medidas de higiene como a lavagem de mãos e álcool em gel, bem como o uso de máscaras. O isolamento é a melhor forma de diminuirmos a circulação do vírus, e as pessoas que foram vacinadas ainda não possuem anticorpos contra o vírus, então ele segue circulante, e com mais força devido a esta variação.

ATENDIMENTO NORMAL

Rúbia disse ser importante ressaltar que o hospital está atendendo normalmente, estando contando com o serviço da Unidade Sentinela para poder ser dada atenção mais especializada aos casos mais complexos. Por isso, apela para que a população procure o hospital somente quando tiver sintomas mais graves.

INCENTIVO

Manifestando-se sobre postagens de incentivo nas redes sociais relativamente ao atendimento dos profissionais da saúde no Hospital Santo Antônio da Patrulha e na Vigilância Sanitária, Rúbia Wingert disse ser muito importante esse retorno positivo para que todos se mantenham fortes. “Nossas equipes estão cansadas, trabalhando muitas horas frente a situações muito complexas. Arriscando se contaminar e contaminar as suas famílias. Muitas vezes, estão virando plantões para atender a todos necessitados. Estamos fazendo o máximo. Precisamos que a população nos ajude evitando as aglomerações”, disse Rúbia Wingert.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade