Historiadora fala na Câmara sobre o aniversário de instalação do município e na homenagem às mulheres destaque

A historiadora Vera Lúcia Maciel Barroso proferiu palestra alusiva ao aniversário da instalação do município e à homenagem prestada a mulheres, que foram destaque por decisão dos edis de Santo Antônio da Patrulha.
“Proferi palestra tratando “dos aniversários” do município. Muitos perguntam: – afinal qual a data da fundação de Santo Antônio da Patrulha? A resposta que dou a esta pergunta é: o nosso município tem quatro datas fundadoras: – uma econômica; – uma religiosa (ou até duas religiosas); uma política (da criação do município); – e outra administrativa (da instalação do município)”, afirma a historiadora.
Vera Maciel explica: O ciclo do tropeirismo, através do comércio de mulas, trazidas dos criatórios situados no norte da Argentina, e levadas para a Feira de Sorocaba em São Paulo, onde os mineiros das Gerais iam comprá-las para animar o ciclo do ouro, promoveu a abertura de um caminho que passava pelo território que viria a ser o início do povoado de Santo Antônio da Patrulha. O Registro da Guarda Velha, situado na área do Campestre, a aproximadamente 6 km do centro histórico da cidade, era ponto obrigatório da passagem e pagamento dos impostos sobre as tropas muares; fora desse caminho, a partir de 1734, aproximadamente, os tropeiros estariam fazendo contrabando. A partir de então é que começaram a vir povoadores para a área, a exemplo de Inácio Mendonça e seu sogro Manoel de Barros Pereira, que dá nome à nossa lagoa.
Acrescenta nossa ilustre historiadora que “a Igreja chegou depois: 1º com a capela curada em 1760, que foi elevada à freguesia em 1763 (criação da freguesia é a condição levada em conta para a fundação de Porto Alegre em 1772, e não a de sua capela instalada em 1747). Ou seja, o primeiro limite de Santo Antônio é o de caráter eclesiástico como freguesia em 1763.
Na sequência, o 3º aniversário tem a data de 07 de outubro de 1809, quando Santo Antônio da Patrulha foi elevado a município, juntamente com Rio Grande, Rio Pardo e Porto Alegre; é o nascimento político. Ou seja, no mapa político da então Capitania (hoje Estado do RS), o território de nosso município ficou com 34.184k², cobrindo a área nordeste, a que chamamos de Quadrante Patrulhense. Com as emancipações ao longo dos séculos XIX e XX, nesta vasta área nasceram 77 municípios derivados direta ou indiretamente de Santo Antônio”.
Prosseguindo em sua verdadeira aula sobre a riquíssima história de Santo Antônio da Patrulha, Vera Maciel Barroso salienta: “O 4º aniversário é o do início do poder administrativo, com a instalação da Câmara Municipal, em 03 de abril de 1811. A Câmara, então, foi o poder local do município até 1889, fazendo a gestão estendida ao Litoral Norte, aos Campos de Cima da Serra e Campos da Grande Vacaria, onde nasceu Lagoa Vermelha e grande número de municípios”.
Na palestra, a partir destes quatros aniversários, foram tratados os seus contextos e o significado de cada um.
Na sua explanação Vera Maciel destaca: “Sem dúvida, nenhum aniversário é mais importante que o outro; todos são, cada um a seu tempo. Mas esta é a ordem das primeiras efemérides de Santo Antônio da Patrulha.
Para além dos portugueses do continente e dos luso-brasileiros, açorianos como avulsos começaram a chegar na década de 1740, e os casais de número a partir da década de 1750, nesta área. E no século XIX, cerca de 10 povos europeus foram instalados no nosso município”.
E dirigindo-se especialmente aos estudantes, Vera Maciel afirma: “Os alunos do ensino básico e ensino médio têm o direito de aprender essa trajetória, enquanto primeiros tempos do município, mas não só, porque a história segue, como processo que transita até o tempo presente.
Na verdade, nosso município tem uma rica e multifacetada trajetória, o que bem mostram e demonstram as obras dos Encontros Raízes, ao longo de 30 anos, somadas aos quatro livros de Raizinha. Trata-se de uma caminhada de produção do conhecimento, envolvendo o Quadrante Patrulhense com 78 municípios, na perspectiva popular, onde todos os cidadãos, não importando sua condição social, titulação, gênero ou etnia, sempre puderam participar e publicar textos. Nesse sentido, Raízes faz educação para o passado, ou seja, Educação Patrimonial”, conclui a historiadora Vera Lúcia Maciel Barroso a respeito de sua palestra proferida em 04 de abril deste ano, a convite do presidente André Selistre, no plenário Euzébio Barth.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Publicidade