O período eleitoral é pródigo em reviver temas adormecidos e oferecer soluções mágicas. E não seria diferente agora, quando a dívida do Rio Grande do Sul com a União retorna ao debate entre os pré-candidatos ao Piratini. Lá em setembro de 2015, aprovamos na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara dos Deputados uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre os débitos do nosso Estado. O pedido acabou sendo estendido a Minas Gerais e Paraná. A conclusão óbvia a que chegamos era de que Estado já havia pagado esse passivo bilionário, tendo inclusive créditos a receber da União.

Prestem atenção aos números que tínhamos em 2017. A dívida inicial contraída em 1998 era de R$ 9,5 bilhões. Após a repactuação o montante pago girava em torno de R$ 25 bilhões, com um saldo devedor na ordem de R$ 52 bilhões. À época, o Rio Grande do Sul havia decretado estado de calamidade financeira na administração pública estadual. Eis que o governo Michel Temer enviou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei Complementar (PLP) 343/2017, que trazia a suspensão, por três anos, do pagamento das dívidas dos estados com a União. Em troca, os governos estaduais se comprometeram em adotar uma série de contrapartidas, como a privatização de estatais e a elevação da alíquota dos servidores públicos para o regime da Previdência.

Alertei que a proposta não era boa porque jogava o problema para o futuro, trazendo maior endividamento para os entes federados. Votei contra o PLP e fui muito cobrado por ser um parlamentar alinhado com a base de apoio ao governo federal. Mas eu precisava ser coerente comigo mesmo e responsável com o povo gaúcho. Um novo contrato balizado em cima do reconhecimento puro e simples de números hipotéticos cobrados pela União não poderia ser assinado pelos Estados. Achava inadmissível entregar patrimônio para pagar uma conta sem fazer revisão desse valor e tampouco cobrar o que a União nos devia. O fundamental não foi feito: discutir o tamanho da dívida. E agora que o futuro chegou concluímos que jogamos o problema para as futuras gerações.

Esse foi o efeito da aprovação do Projeto de Lei Complementar 101/20, que mudou as regras para os estados refinanciarem suas dívidas em troca de ajustes fiscais em suas contas. No final de 2020, o estoque total dessas dívidas girava em torno de R$ 630 bilhões. No caso gaúcho, a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal significou o reconhecimento do valor da dívida com a União, que ao final de 2021 chegava a R$ 73,7 bilhões.

Desde 1998 até o final de 2022, sete governadores terão passado pelo Palácio Piratini e outros cinco presidentes da República pelo Palácio do Planalto. Todos os espectros políticos e ideológicos tiveram a oportunidade de refazer as contas e chegar num consenso. O que nos garante que agora isso será possível?

Que já pagamos essa conta várias vezes não tenho dúvida. Continuar jogando para a torcida não é o melhor caminho. A calculadora segue descontrolada em nosso desfavor. Se a adesão ao regime de recuperação fiscal pode inviabilizar os próximos governos do Rio Grande do Sul como todos estão falando, a não assinatura precisa significar o início de uma grande luta para renegociar o passivo. Isto não ocorrendo estaremos simplesmente perdendo a chance de prorrogar. Eu sempre defendi a primeira ação. Deixo o questionamento para avaliação responsável de todos.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade