Esperto é ele, o cramulhão!!!

Vocês nem imaginam quem cogitou entrar para a política! O Tinhoso. O próprio Lúcifer, o Anjo Decaído, o popular “cosa ruim” – em nosso idioma pátrio, Diabo; no espanhol, Diablo; em italiano, Diavolo (quem pensou Mussolini não terá errado muito não), em inglês, Devil; e no russo, Dyavol (ou Stalin, me sopra ele aqui, que o bicho é danado de esperto). Se Deus ficou imortalizado – perdão pela gafe – na figura doce e afável de Morgan Freeman – se bem que sobre esse recaem suspeitas de ter feito coisas do capeta, assédio sexual e tal -, peguemos para esse meu Príncipe dos Príncipes Al Pacino, que deu vida ao nosso personagem no filme “O advogado do diabo” (1997).

“Congresso ou Executivo, magnânimo?” – está a questioná-lo um baixote, meio quasímodo, oitavado, de barriga espetada, encostado em uma pilastra incandescente, um dos seus tantos ajudantes de ordem – coincidentemente
um termo bem conhecido nos meios militares. “Sabias tu que o radical do meu nome, em grego, quer dizer justamente negador, caluniador, opositor, ou acusador, hein hein?”, redarguiu o Tinhoso. “Sabia disso não, excelso capeta”,
respondeu o ajudante. “Com toda esta minha eloquência, não me vejo em outra instância ou esfera política (olha ele já gastando o politiquês) que não seja o Parlamento, embora, reconheço, que o páreo por lá seja duríssimo.”

“Com todo o respeito, meu rubro rutilante, não quero empatar sua candidatura, mas tá ligado de como tudo começou, lá bem no início?” – esse secretário tem uma característica deveras apreciada pelo chefe, a sinceridade – aliás, dizem as más línguas que o sujeito em questão desceu ao inferno por ser um linguarudo, desses que só dizem a verdade. Pois estava ele ali a lembrar o futuro parlamentar de que se não fosse por essa vaidade desmedida, não haveria anjo decaído (dos Céus), ou seja, o diabo seria só mais um anjinho tocando sua inocente harpinha pelo infinito celestial. Mas não, o danado encasquetara de que queria porque queria construir um reino mais colossal e majestoso do que
o do Morgan Freeman, ora vejam! Reza a lenda que ele teria arrancado, para essa empreitada, com apoio de um terço da anjinhada, revelando-se ali já um grande articulador político – vai ver daria um bom líder da minoria, vá saber. Só
que do outro lado estava Miguel Arcanjo, espécie de líder do governo. Daí que o Exército do Tinhoso capitulou e ele e sua turma foram parar no inferno.

“Majestoso, pense cá comigo uma coisa. O senhor sabe de algum bicheiro que tenha virado político? Lembro dos nossos hóspedes aqui e não me vem à cabeça nem um nome”, questionou o baixote. Ladino, o Al Pacino, ops, o Diabo,
mas com aquele olhar único de Al Pacino, tá sacando aonde o sujeitinho quer chegar, porque, sabemos todos, ele é mais temido por ser velho do que… pois então. “Tens toda a razão, bicho feio! Reputação e credibilidade, eis o que mantém o império desses homens.” Logo o Tinhoso cai em si, que de bobo ele não tem nada: “Deus me livre, ops, escorreguei… por toda a escuridão das trevas, como não havia pensado nisso? Longe de mim. Prefiro seguir dando as cartas cá de baixo. Imagina eu ter de ouvir: ‘Ele não’. Esquece! Tô fora. E esse juizinho aí, o que te parece, hein, baixinho horroroso??”

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade