Corsan quer anular decisão da Justiça e voltar a despejar efluentes na Lagoa dos Barros

Numa decisão classificada pelo Procurador da Prefeitura de Santo Antônio da Patrulha como de perplexidade e absurda, a Corsan está tentando anular a decisão da Juíza titular da II Vara da Comarca de Santo Antônio da Patrulha dra. Mariana Aguirres Fachel, que determinou a suspensão do despejo de efluentes por parte da Estação de Tratamento de Esgotos de Osório na Lagoa dos Barros. A Companhia Riograndense de Saneamento quer que a Justiça autorize a volta as atividades da estação, continuando a despejar esgotos nas suas águas.
Recorda Luciano Amorim que a Corsan contratou uma empresa especializada em colocar em funcionamento a Estação para ensinar a Companhia de como proceder conforme determina a lei e a sentença.
A Corsan – afirma Amorim – gastou 4,5 milhões de reais no final de dezembro com essa finalidade. Mesmo assim, para que a estação funcione mediante esse estudo, vai levar meses e até um ano, caso consiga a anulação na Justiça da decisão judicial anterior.
Ao mesmo tempo a Corsan contratou a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, pagando cerca de 760 mil reais, conforme declarou Luciano Amorim, para que investigue várias situações, mas que investigue duas questões básicas:
Se a lagoa tem condições de suportar o funcionamento da ETE, se algum dia consiga funcionar conforme a lei e a sentença.
O Procurador afirma que não é somente a juíza de SAP quem determinou a suspensão do funcionamento da ETE, mas também a II Câmara Cível do TJ num julgamento composto de três desembargadores já vem decidindo em até cinco sessões que a estação de tratamento necessita permanecer fechada até que a CORSAN cumpra a lei e a sentença. Destaca o Procurador que as três sentenças que foram concedidas pela FEPAM, conforme julgamento da III Câmara, estavam fora da lei e contra a Constituição Federal, violando vários princípios de direito ambiental, bem como as resoluções do CONAMA e do CONSEMA que são os conselhos estaduais e nacionais do Meio Ambiente.
“É impressionante o quanto a Fepam e a Corsan atuaram fora da lei e isso foi confirmado através de decisão judicial do I e II Graus. E ainda assim, a Corsan entrou dia 11 com novo recurso para colocar a estação em funcionamento imediato. Ainda assim querem colocar a ETE em funcionamento para poluir e transformar a Lagoa dos Barros num grande lodo de esgoto a céu aberto que é isso que vai que vai acontecer através de vários processos, e um deles é o da eutrofização e o surgimento das tóxicas cianobactérias. Nessa contratação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a Corsan questiona se a Lagoa vai suportar o funcionamento da ETE se algum dia ela conseguir cumprir a lei e a sentença”, afirma o Procurador.
E a segunda questão que está no parecer da Procuradoria Geral do Estado que nos causa perplexidade e até certo desânimo e tristeza em relação à postura com que esses órgãos têm atuado em relação ao meio ambiente e à Lagoa dos Barros, é que a Corsan esteja contratando a UFRGS para que produza um estudo para ver se a lagoa vai suportar e ao mesmo tempo se existem alternativas de reuso de efluentes que não sejam o de emissão da Lagoa. “É a própria cogitando agora em 2021 em reutilizar os efluentes da estação de tratamento para indústria, lavagem de calçados, utilização em indústrias e até na agricultura, dentre outras alternativas”.
E nossa pergunta é: Se é possível o reuso dos efluentes para outras finalidades por que continuar querendo utilizar a Lagoa dos Barros poluindo e acabando com a maior lagoa do Litoral Norte? Por que não trabalhar com o reuso dos efluentes para outros usos e outras finalidades que não seja poluir o meio ambiente?

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade