Audiência aponta alternativas para evitar fraudes nos empréstimos consignados

O drama de aposentados que tiveram seus contracheques aviltados por descontos de parcelas de empréstimos bancários que não contraíram foi o assunto da audiência pública da Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte e Participação Legislativa Popular, realizada na manhã desta quarta-feira (14/7). O encontro, proposto pela deputada Patrícia Alba (MDB) e pelo presidente do colegiado, deputado Elton Weber (PSB), reuniu num mesmo ambiente virtual representantes de órgãos de defesa do consumidor e de instituições envolvidas no processo de concessão dos empréstimos consignados. Na abertura da reunião, Patrícia cobrou explicações sobre a responsabilidade do INSS na prática fraudulenta, que envolve vazamento de dados e realização de empréstimos sem a autorização dos clientes, e narrou a via crúcis de aposentados que são alvos dessas operações. “Uma verdadeira tortura com pessoas que nem sabiam que a aposentadoria tinha saído e já recebiam telefonemas e torpedos diariamente com oferta de crédito. Ou ainda pessoas que passaram a ter descontos de empréstimos que não ocorreram ou que não solicitaram. E para resolver o problema tiveram que recorrer ao Judiciário”, afirmou a parlamentar. Para o presidente da comissão, as mais de três horas de debates mostraram que o sistema do INSS é frágil e permite o acesso de pessoas mal intencionadas. “O sistema é repleto de boas intenções e teoria de controle, mas não funciona e está sendo burlado por pessoas mal intencionadas. E as estruturas públicas que deveriam guardar os dados dos cidadãos não estão cumprindo esta função a contento. Com isso, os malandros estão ganhando o jogo”, declarou.
A solução, segundo ele, passa pela qualificação dos mecanismos de controle. Um dos encaminhamentos propostos pelo parlamentar foi o retorno da autorização presencial dos empréstimos bancários, enquanto o sistema não se mostrar seguro para coibir fraudes. Além disso, sugeriu a elaboração de uma legislação estadual mais restritiva, a exemplo da que existe no Paraná, e realização de uma manifestação oficial da comissão à Câmara Federal pedindo para que o projeto de lei, de autoria do deputado gaúcho Heitor Schuch (PSB), proibindo a celebração de contratos com instituições financeiras que não tenham sido expressamente solicitados por aposentados e pensionistas, avance.
Autora de uma ação civil pública contra o INSS, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no RS (Fetag) reuniu em um dossiê com 229 páginas provas de prática fraudulenta e de vazamento de dados contra beneficiários da Previdência Social. A entidade defende o bloqueio dos benefícios para consignados até manifestação pessoal dos segurados, descredenciamento de agentes financeiros envolvidos em fraudes e ressarcimento e compensação moral às vítimas de golpes.

INSS
O coordenador-geral de Pagamentos do INSS, Fábio Comanduci Nascimento, explicou que o crédito consignado obedece a normas legais e que o órgão firma acordos de cooperação técnica com instituições financeiras para operá-lo. Segundo ele, o INSS está atento aos problemas que vem ocorrendo e abriu procedimentos administrativos contra seis financeiras, além de atuar em conjunto com órgãos fiscalizadores e Febraban. “O INSS não vaza, não comercializa e se esforça para proteger dados. Só compartilha mediante autorização dos beneficiários”, assegurou. Ele defendeu identificação biométrica obrigatória para a realização de operações de crédito consignado como forma de coibir fraudes.

Dataprev
O representante da Dataprev, Alan Santos, afirmou que o acesso aos dados para empréstimos se dá por dois caminhos: por meio de autorização do cidadão, o que representa cerca de quatro milhões de consultas por mês, e por meio de consulta do histórico de consignação nos canais remotos do INSS, mediante autenticação de usuário e senha. Quanto ao vazamento de dados, Santos disse que “há um acompanhamento amplo e não há registro” neste sentido. Afirmou ainda que o órgão não tem conhecimento das negociações entre beneficiários e operadoras de crédito e defendeu o uso de biometria para dar mais segurança ao sistema.

Febraban
O representante da Febraban afirmou que a instituição não compactua com práticas fraudulentas e que atua para combatê-las. Ressaltou, no entanto, que não se deve “demonizar o empréstimo consignado”, que é a principal alternativa de inclusão financeira no país, representando 37% dos recursos direcionados para pessoas físicas. Segundo Amauri Oliveira, desde o início do ano, os bancos passaram a fazer a “rechecagem para confirmar com o consumidor se quer contratar o consignado”. Além disso, revelou que a Febraban adotou um conjunto de medidas para enfrentar o “assédio comercial”, entre as quais a criação de um banco de dados de reclamações contra correspondentes bancários que não seguem as regras. Também se manifestaram representantes da Defensoria Pública, Procon/RS, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor e Secretaria Nacional do Consumidor.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade