Ansiedade e covid-19: como lidar com o medo e a angústia em tempos de pandemia

Psicóloga do Sesc/RS orienta quanto aos sinais que indicam necessidade de apoio profissional 

Medo do contágio, distanciamento das pessoas queridas, crise econômica, luto: a covid-19 trouxe várias questões que estão interferindo na rotina e na saúde mental da população. A exposição a essa tensão diária pode causar distúrbios do sono, elevar o nível de estresse, provocar angústia e aumentar a irritação, tornando a ansiedade um sentimento cada vez mais recorrente. A psicóloga do Sesc Lajeado Brenda Borges Schmitt alerta que, apesar de ser algo natural, a ansiedade pode atingir níveis que exigem atendimento especializado diante do cenário de incerteza desde o início da pandemia.

 Uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde entre abril e maio do ano passado mostrou que a ansiedade foi o transtorno mais citado no período, com 86,5% dos entrevistados relatando sofrer com o problema. Outro levantamento, divulgado pelo Ipsos em junho de 2020, apontou que, de 16 países, o Brasil é o país que mais apresenta ansiedade como resultado da pandemia: quatro em cada 10 brasileiros (41%) têm experimentado algum nível do distúrbio, com os mexicanos em segundo (35%) e os russos em terceiro (32%).

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, o problema não é uma novidade para os brasileiros: um estudo divulgado em 2019 aponta o Brasil como o país mais ansioso do mundo, com 18,6 milhões de pessoas (ou 9,3% da população) convivendo com o transtorno. A novidade é que, durante a pandemia, surgiu um novo fator que agravou a situação: a incerteza sobre o futuro. “Tanto nos estudos que eu tenho acompanhando quanto nos atendimentos, o que se percebe é a questão da incerteza, do que vai ser daqui pra frente. A insegurança diante do futuro e as questões de trabalho e família nesse cenário deixam os sentimentos muito mais intensos, e algumas pessoas não estão conseguindo dar conta dessas emoções”, informa a psicóloga do Sesc Lajeado, Brenda Borges Schmitt.

Mas como saber que a ansiedade passou de uma sensação normal para algo que precisa ser tratado? Brenda explica que a intensidade e a frequência dos episódios são pontos a serem observados: “Todo mundo vive momentos de ansiedade, é natural que a gente se sinta ansioso quando estamos lidando com algo novo. Mas esses sentimentos tendem a passar depois que a gente vive a experiência. O que a gente chama de transtorno é uma vivência mais intensa e contínua”, esclarece. Sintomas como sensação de quase morte, palpitação, falta de ar, falta de controle sobre a situação, sudorese, angústia e vontade de sair correndo do local são indicações de que você pode estar vivendo uma crise de ansiedade. Nesse caso, se isso se torna recorrente e apresenta prejuízos significativos na vida da pessoa, a orientação é procurar ajuda psicológica logo, para que o diagnóstico seja dado e o tratamento possa ser realizado o mais cedo possível.

Durante uma crise, algumas técnicas que ajudam a diminuir a sensação de desespero são retomar o controle da respiração (puxe o ar pelo nariz de forma lenta e profunda e solte pela boca devagar), focar no ambiente (prestar atenção no lugar que está ou em algum objeto e descrevê-lo mentalmente), evitar os pensamentos negativos e buscar distrações, procurar a ajuda de um amigo, conversar, ouvir música e evitar o consumo de cafeína. Já no cotidiano, para evitar que se chegue a um momento de grande estresse, as principais dicas são investir no autocuidado, respeitar os próprios limites, fazer atividade física, ter uma rotina organizada e retomar algum hobby que ficou esquecido. “Cada um lida de uma forma diferente com as situações. Então é importante não se comparar, não tentar fazer além do que você dá conta e reconhecer que há coisas que são impossíveis de controlar. Também é fundamental se acolher, ter empatia consigo mesmo e se priorizar, além do cuidado com o corpo e com as questões emocionais. Precisamos lembrar que, para cuidar dos outros, antes a gente precisa estar bem”, aconselha a psicóloga.

Estar sempre de olho no noticiário também pode ser prejudicial, por isso é fundamental buscar um equilíbrio entre ficar informado e fazer uma pausa quando a ansiedade está em alta. “Com as redes sociais, tudo chega muito rápido e por todos os lados, mesmo que a gente não queira. Quando isso está causando aflição ou angústia, a saída é filtrar as informações, escolher fontes confiáveis e dosar a quantidade de notícias que consumimos. Por exemplo, se assistir ao jornal da manhã me faz ficar ansiosa o dia inteiro, o melhor é tentar buscar as informações apenas no final da tarde. Até nas conversas diárias, temos que estar à vontade para dizer que não queremos falar sobre determinado assunto se aquilo está nos afetando muito”, completa Brenda.

Como uma crise de ansiedade e a covid-19 têm alguns sintomas em comum, é preciso prestar atenção em alguns fatores para não confundí-las. A crise de ansiedade é despertada por um fator desencadeante, chamado de gatilho – como ler uma notícia e pensar na possibilidade de contágio ou receber a informação de que algum familiar se contaminou. A falta de ar causada por ela acontece em episódios, após situações de estresse, não é constante nem piora com pequenos esforços. Já no caso da covid-19, ela geralmente aparece após um quadro de febre e tosse persistente e é acompanhada de uma exaustão ao fazer alguma atividade física, como subir escadas. “O autoconhecimento é muito importante, a pessoa saber como o corpo se comporta em momentos de tensão. Isso ajuda a identificar que o problema é psicológico, o que faz a diferença na hora de buscar ajuda e obter um diagnóstico mais cedo”, finaliza.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nosso canal no WhatsApp
Publicidade