Santo Antônio tem 13 casos confirmados e 12 curados | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Santo Antônio tem 13 casos confirmados e 12 curados

Santo Antônio tem 13 casos confirmados e 12 curados

O município está hoje numa situação epidemiologicamente calma, porque há apenas um paciente ainda não curado dos 13 casos confirmados. A afirmação é da coordenadora municipal de vigilância epidemiológica. A enfermeira Rosimeri Numer, que também coordena o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus acrescenta que esse caso, é o de um homem de 55 anos, que está há 20 dias internado na UTI em Osório. Os demais casos que eram positivos, estão curados.
A situação em Santo Antônio está sob controle, mas o município depende muito da região do Litoral Norte, onde a situação está bastante complicada, conforme explica a enfermeira, porque houve um aumento muito grande de casos em Osório.
Há também os de síndrome gripal em acompanhamento, mas ela alerta que essa situação pode mudar de um dia para outro, com casos suspeitos podendo passar a positivos e os de síndrome gripal que poderão ser positivados.
Ontem (09), o boletim acusava dois casos suspeitos e de 11 pacientes em síndrome gripal com os mesmos sintomas de COVID-19. Por isso, é que somente no 14º dia quando é feito o teste rápido e dá positivo, o paciente é considerado curado porque ficou em isolamento domiciliar.
No entendimento de Rosimeri, hoje a população está bem mais consciente e ela vê diariamente que a grande maioria está utilizando máscaras e o álcool em gel quando entra num estabelecimento, pois já é uma prática obrigatória nesses locais.
Para a coordenadora, se a população continuar seguindo os procedimentos, Santo Antônio poderá continuar numa situação aparentemente confortável, mas ela alerta que, com a chegada do frio, é comum o aumento de doenças respiratórias, que podem permanecer apenas como uma síndrome gripal comum, como também podem resultar em sintomas de COVID-19. Portanto, todo o cuidado é pouco.
Por fim, ela apela aos grupos prioritários principalmente dos 55 aos 59 anos e aos pais, para que levem as crianças menores de seis anos às salas de vacina para a aplicação contra a influenza, porque há uma baixa adesão no momento. Ela acredita que as mães estão deixando as crianças em casa porque não têm escolinha, mas é muito importante a vacinação. Há estoque suficiente, complementa a coordenadora de vigilância epidemiológica e do Comitê Municipal de Enfrentamento ao COVID-19, enfermeira Rosimeri Numer.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *