Psicólogos dão dicas de como proceder com a ansiedade em tempos de pandemia | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Psicólogos dão dicas de como proceder com a ansiedade em tempos de pandemia

Psicólogos dão dicas de como proceder com a ansiedade em tempos de pandemia

A pandemia que estamos vivendo tem feito aflorar um sentimento que, na maioria das vezes, não damos a devida importância, mas que é fundamental ser avaliado neste momento: a ansiedade. Ela se manifesta de duas formas: a ansiedade natural que todo o ser humano vive no dia a dia e a crise de ansiedade, que pode ser desencadeada por esse momento pandêmico, que isolou socialmente as pessoas de um momento para outro.
Foi com essa finalidade que a reportagem conversou com a psicóloga Rutieli Portalli e com o estudante de Psicologia Thomas Francisco Silveira dos Santos, ambos colaboradores do Hospital Santo Antônio da Patrulha, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.
Na avaliação de Rutieli, se fala muito sobre o sentimento de ansiedade. Mas será que estamos mais ansiosos agora ou nos percebendo mais ansiosos neste momento? Visto que, estamos mais atentos e voltados aos nossos sentimentos.
A psicóloga afirma que há alguns aspectos que antes não estávamos avaliando em função da rotina repleta de compromissos e afazeres. A pandemia faz vir à tona sentimentos que normalmente não estávamos percebendo com maior clareza. Explica que a questão da ansiedade pode ser vista sob dois aspectos: positivo e negativo. O positivo é quando esse sentimento nos desperta e contribui para sair da zona de conforto e ir em busca dos nossos objetivos.
Já o negativo age ao contrário: nos limita a mudar o comportamento, por vezes nos colocando numa posição de diminuir as nossas potencialidades. Muitas vezes, vem acompanhado do medo, insegurança e angústia gerando falta de ar, sufocamento e, por isso, muitas pessoas confundem o sentimento ao sintoma e pensam estarem com COVID-19, já que esse é um dos sintomas atribuído à doença.
É quando existe a necessidade de restabelecer outros vínculos e questões de sentimentos, inclusive com familiares e amigos, para conseguir driblar esse momento difícil, mesmo que a forma de contato, seja virtual.
DIFERENCIAÇÃO
Já Thomas julga importante diferenciar ansiedade, que é um sentimento natural de qualquer ser humano, e a crise de ansiedade. Explica que são sentimentos diferentes, porque a ansiedade pode ser vista como algo natural ao longo da vida, onde todos passamos por esses momentos no dia a dia. Já a crise é algo mais grave e tende a incapacitar a pessoa na realização de algumas tarefas cotidianas. Conseguir identificar os momentos de crise é muito importante, pois pode ajudar no entendimento do problema e, até mesmo, na decisão de buscar ajuda profissional.
Conforme Rutieli, a falta de ar e o sufocamento são alguns aspectos que o corpo exterioriza e, é importante buscar apoio para cuidar da saúde mental e emocional. “Nesse momento, lidamos com um inimigo invisível, que é o Coronavírus e muitos questionamentos em torno da doença nos vem à mente, tais como: quanto tempo a pandemia durará? Como iremos retomar nossas vidas no momento pós-pandemia? Dentre outros. Por isso, devemos buscar formas de estabelecer vínculos, como contatos com familiares pelo celular, falar para um amigo ou amiga e ouvir dele que também passa por esses momentos, quais sentimentos estão sendo despertados. Pois quando a pessoa se identifica, sabendo que o mesmo ocorre com ela e que isso não é um fator isolado, isso nos conforta e faz perceber que não estamos sozinhos”.
FORTALECIMENTO DE SENTIMENTOS
Com essa troca de experiências, na avaliação dos psicólogos, se torna mais fácil o fortalecimento dos sentimentos para saber como driblar o momento difícil e sair mais saudável para enfrentar a próxima fase, depois da pandemia. Ensinam os dois profissionais que, se a pessoa tem que ficar no isolamento devido à pandemia, é no contato com familiares, através dos meios eletrônicos, que se pode conseguir superar esse impasse.
Mas ambos são categóricos, como destacou Thomas: isolamento social não significa isolamento emocional. Falar sobre os seus sentimentos através do celular com quem tem mais proximidade, verbalizando suas angústias e ansiedades, ajudará a pessoa na elaboração dos momentos críticos vividos na atualidade. Porque, ao não conseguir falar e nomear seus sentimentos – frisa Thomas – a situação poderá se agravar de forma importante.
NO HOSPITAL
O Hospital Santo Antônio da Patrulha da Santa Casa de Misericórdia está inaugurando esta semana um grande projeto, único na região, um parlatório na ala COVID-19, para que familiares, através de uma parede de vidro, posam conversar com quem está hospitalizado utilizando o interfone. Conforme Rutieli Portalli, são dois horários semanais e o familiar deve fazer o agendamento para poder conversar com quem está internado naquela ala. Também foi recriado o uso de cartas para os entes queridos e internados além da televisita e das ligações telefônicas já utilizadas. Para tanto, ligue para 3662-7600.