Primeira audiência de médico que é acusado pela morte de adolescente na freeway vai ser em março do ano que vem | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Primeira audiência de médico que é acusado pela morte de adolescente na freeway vai ser em março do ano que vem

Primeira audiência de médico que é acusado pela morte de adolescente na freeway vai ser em março do ano que vem

A matéria é de autoria do jornalista Vitor Rosa, do Grupo RBS e foi publicada em Gaúcha ZH.
Estamos divulgando uma síntese da reportagem que aconteceu no dia 3 de março de 2019. A primeira audiência marcada pelo Juiz Felipe Roberto Palopoli acontecerá exatamente no dia em que se completarão dois anos do acidente e que aconteceu na freeway em Santo Antônio da Patrulha. Eis tópicos da matéria de Vitor Rosa:
“Após um ano, oito meses e 23 dias, a Justiça marcou a primeira audiência sobre a colisão provocada por um médico bêbado e que resultou na morte de Bárbara Andrielle Mendes de Moraes, 15 anos, na freeway, em Santo Antônio da Patrulha. A moto em que ela estava, viajando com um amigo da família ao lado da moto ocupada pelos pais dela, foi atingida em cheio e arrastada por 74 metros uma BMW X5 conduzida por Leandro Toledo de Oliveira.
Serão ouvidas 16 testemunhas em Osório, Tramandaí, Gravataí, Montenegro, Santo Antônio da Patrulha e Porto Alegre, todas por videoconferência. Outras duas, moradoras de outros Estados, serão ouvidas em outras datas.
O juiz Felipe Roberto Palopoli marcou os depoimentos para acontecerem no exato dia em que o caso completará dois anos, em 3 de março de 2021. Na decisão, o magistrado também nega o pedido do médico de voltar a ter sua carteira nacional de habilitação (CNH), além de não autorizar a revogação de medidas cautelares, como a proibição de se ausentar da comarca onde reside.
Em julho deste ano, os três policiais rodoviários federais que atenderam a ocorrência, não submeteram o médico ao bafômetro e só comunicaram o caso à Polícia Civil 85 horas depois, pagaram multa em uma transação penal oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) e se livraram da ação na Justiça. Eles respondiam por prevaricação, quando um agente público retarda, deixa de praticar ou pratica indevidamente sua função para satisfazer interesse ou sentimento pessoal.
Em 19 de junho de 2019, a Justiça de Santo Antônio da Patrulha tornou o médico réu por homicídio doloso eventual — quando se assume o risco de matar — duplamente qualificado e outras três tentativas de homicídio. Segundo a denúncia, “bêbado e em alta velocidade”, o acusado atingiu duas motocicletas na BR-290, a freeway, no dia 3 de março de 2019, causando a morte de Bárbara.
A batida do carro do médico com as duas motos também feriu o pai, a mãe e um amigo da família da adolescente, que viajavam juntos e foram arremessados com a força da colisão. A mãe da vítima quebrou os ossos de uma das pernas e até hoje não conseguiu voltar ao trabalho.