Patrulhense preside Associação de Turismo do Litoral Norte Gaúcho | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Patrulhense preside Associação de Turismo do Litoral Norte Gaúcho

Patrulhense preside Associação de Turismo do Litoral Norte Gaúcho

O Jornalista patrulhense Flávio Albano Holmer Rosa, há vários anos radicado em Tramandaí, tem se constituído num entusiasta do desenvolvimento turístico do Litoral Norte. Tendo ocupado cargos importantes no segmento ao qual se dedica, Flávio preside hoje merecidamente pelo trabalho que realiza, a ATL-Norte (Associação de Turismo do Litoral Norte Gaúcho).
Residindo atualmente em Nova Tramandaí ele continua sendo um apaixonado pela causa que abraçou. A Folha mostra à comunidade um pouco de sua realização.
FOLHA PATRULHENSE: Qual a atividade que estás exercendo no Turismo e o que isso representa para ti, que sempre esteve voltado para as causas de divulgação do Litoral Norte.
FLÁVIO ALBANO HOLMER ROSA: Atualmente sou Presidente da ATL-Norte, Associação de Turismo do Litoral Norte Gaúcho, entidade criada em 2019, atendendo a determinação da Resolução n° 139/xxxx, do Ministério do Turismo, que a torna um órgão oficial junto a Secretaria Estadual de Turismo, a Confederação Nacional dos Municípios e ao próprio Ministério do Turismo. Como Presidente da ATL-Norte fui indicado membro titular do Conselho Estadual de Turismo – SEDETUR, e após convidado a compor o grupo de Gestores do Turismo da CNN-Brasília, formado por Gestores Públicos e convidados.
FOLHA: Qual a tua linha de trabalho à frente da entidade?
FLÁVIO: A Região Litoral Norte compreende 21 municípios de Torres a Mostardas, mesclada entre grandes centros como: Osório, Torres, Capão da Canoa/Xangri-la, Tramandaí/Imbé, Cidreira/Balneário Quintão; a pequenos municípios como Caraá e os municípios da encosta da serra ao longo da BR-101, isto faz com que tenhamos um mesmo olhar, mas com ações diferentes.
A ATL-Norte como instituição tem a responsabilidade de reunir os municípios como seus filiados para que possa interagir como órgão que atue não só no desenvolvimento turístico, mas também econômico e assim estruturar a dinâmica do turismo. Somente as cidades associadas podem receber recursos tanto Nacional quanto Estadual para projetos na área turística, recursos estes proporcionais a classificação do município numa escala de A a E. Sendo assim, a ação da ATL-Norte orienta e colabora na formação dos Conselhos, departamentos e Secretarias do Turismo, para que todos estejam aptos a apresentarem projetos visando a realização de eventos e criação da estrutura turística da região.
FOLHA: Qual o nosso potencial turístico? E com relação à tua terra natal, julgas que o Turismo está sendo bem explorado, ou falta muita coisa até alcançarmos esse objetivo?
FLÁVIO: Quanto a Santo Antônio da Patrulha eu sempre acreditei no imenso potencial turístico, uma cidade centro geográfico de uma população de mais de 4 milhões de habitantes, servido por excelentes rodovias e com uma diversificada segmentação turística, apenas administrada de forma desordenada, não existe um planejamento para ações de médio, curto e longo prazo. Nós na ATL-Norte temos planejamento elaborado pelo COREDE do Litoral para ser desenvolvido até 2025. Este planejamento é flexível, podendo ser alterado, tendo suas diretrizes substituídas ou acrescentadas.
Voltando a Santo Antônio da Patrulha vejo que a atual administração executou um bom trabalho em relação a estrutura de atrativos, com restauração e modernização do Centro Histórico, mas ao mesmo tempo deslocando os eventos para outros bairros da cidade, não havendo uma interação entre o turista e o atrativo. Este desencontro, faz com que haja um desestímulo nos investimentos na área de serviços que o turista necessita, como: bares, lojas de artesanato, pontos de venda de produtos típicos como cachaça, rapadura e o próprio sonho. Tem que haver um sincronismo entre ambos.
FOLHA: Qual a linha turística mais importante que julgas merecer uma atenção especial?
FLÁVIO: Quanto a classificação turística, é inadmissível que apesar do desenvolvimento que a cidade alcança ela esteja na colocação D. Embora tenham ótimos hotéis e restaurantes, falta um planejamento e atualização, por parte da administração da cidade, sobre as normas que atualmente regem o turismo no Brasil.
Na realidade, em tese, não existe uma segmentação mais importante, ela dependendo das características e vocação de cada município, ou seja, deve ser feito um inventário turístico e então partir para o planejamento, sempre observando o que pode vir em curto prazo e que pode servir de suporte para o projeto seguinte, e assim sucessivamente.
Por exemplo, agora temos a Rota da Rapadura asfaltada, mas para que ela apresente bons resultados, deve merecer atenção dos moradores com ajardinamento, limpeza ao longo da rodovia e, especialmente, que nos finais de semana as fábricas tenham ponto de venda para oferecer a possibilidade de compra do produto ao turista. E obviamente a divulgação.
Acredito que o prefeito eleito, Rodrigo Massulo, vai dar uma atenção diferenciada ao turismo, tendo em vista que é a única atividade que pode gerar renda para a população de toda a cidade, e não só para hotéis e restaurantes, como a maioria dos leigos vem o resultado do turismo.
FOLHA: Como o Brasil vê hoje o turismo gaúcho? É apenas Gramado como foco principal, ou há outros pontos que se destacam Brasil afora?
FLÁVIO: Atualmente o Rio Grande do Sul, como todo o país, está passando, apesar da pandemia, uma nova fase através da política da regionalização, mas nós enfrentamos mais dificuldades por sermos o estado com as maiores taxas de impostos do país. Porém, mesmo assim, o Rio Grande do Sul vem conseguindo bons resultados, somos o segundo estado em turismo de negócios e congressos, seguimento que pouco aparece na mídia mas deixa ótimos resultados econômicos.
FOLHA: O que mais gostarias de acrescentar.
FLÁVIO: As regiões serranas, Hortênsias e Uva e Vinho, continuam liderando o fluxo turístico no nosso estado. Mas, novos polos estão começando a chamar a atenção do centro do país, como por exemplo a Rota das Missões, com a cidade de São Miguel das Missões, único patrimônio histórico mundial no estado reconhecido pela UNESCO. Com o espetáculo diário de Som e Luz e bons hotéis, São Miguel das Missões se torna um novo destino internacional.
Outras regiões que estão buscando seu espaço são: Costa Doce, com polo principal na cidade de Pelotas; Região dos Vales, destacando-se a cidade de Santa Cruz do Sul, e; a Fronteira Oeste, com seus FreeShops. Em breve iremos ouvir bastante das cidades de Soledade e Ametista do Sul, nas regiões de Alto da Serra do Botucarai e Rota Águas e Pedras, respectivamente, com seu turismo voltado para o comércio das pedras semipreciosas.