No Litoral Norte são quase 13 mil casos confirmados | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

No Litoral Norte são quase 13 mil casos confirmados

No Litoral Norte são quase 13 mil casos confirmados

O COE da Coordenadoria Regional de Saúde emitiu seu mais recente boletim de número 156/2020 relacionado com a pandemia afirmando que no Litoral Norte há até agora 12.981 casos confirmados e três novos óbitos (em Itati, Santo Antônio da Patrulha e Três Forquilhas), totalizando 238. Há 1.580 pessoas com doença ativa e 115 pacientes internados. A taxa de ocupação média das UTIs da região está em 96%. Não há leitos de UTI disponíveis nos hospitais de Osório e Torres.

NÚMEROS

Em detalhes, os números no Litoral Norte são estes:

12.981 casos confirmados, 11.163 casos recuperados, 238 óbitos até agora, 3.983 assintomáticos e contactantes de casos confirmados/suspeitos, 3.102 casos suspeitos por síndrome gripal, 115 casos suspeitos/confirmado hospitalizados ontem (20/11), 47.460 testes realizados e 33.282 testes negativos.

Na proporção de casos confirmados de COVID-19 por sexo, o índice de infectados é de 44,8 por cento para os homens e de 55,2 por cento para as mulheres.

MORTES

No total de óbitos, Osório está na frente com 35 mortes seguido de Tramandaí com 33 e Santo Antônio com 32 pessoas falecidas. Em seguida vem Imbé com 24, Cidreira com 10, Balneário Pinhal com 7, Caraá com 4, Palmares com 3 e por fim Mostardas e Tavares com duas mortes cada.  No cenário do levantamento dos municípios dos Bons Ventos, onde se incluem Santo Antônio e Caraá, há até agora 152 mortes enquanto que os integrantes da Belas Praias totalizam 86 óbitos.

ALERTA

Isso significa claramente que o número de infectados está aumentando bastante em todo o Litoral Norte que vai continuar na bandeira vermelha. O que mais chama a atenção é que, enquanto perdurou a bandeira laranja, os casos não pararam de aumentar. Nas ruas ainda há os que insistem em circular sem máscaras, desobedecendo o distanciamento social e promovendo aglomerações, mesmo que pequenas. Há ainda os casos irônicos de pessoas com máscara abaixo do queixo para fumar em plena pandemia. Outros a levam pela mão como se fosse um recurso para ser usado apenas em em último caso.



Profissional atuando há 50 anos no jornalismo.