Médicos do Hospital Santo Antônio da Patrulha falam sobre a importância do pré-natal | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Médicos do Hospital Santo Antônio da Patrulha falam sobre a importância do pré-natal

Médicos do Hospital Santo Antônio da Patrulha falam sobre a importância do pré-natal

Os médicos Grover Mendez Poma e Márcia Müller conversaram com a reportagem da Folha Patrulhense, sobre a necessidade de orientar as gestantes a respeito da importância de realização do pré-natal para garantir a sua segurança e a do bebê. E, mesmo que o Hospital Santo Antônio da Patrulha, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, não seja referência para partos, têm nascido bebês na emergência dessa Casa de Saúde.
MÉDIA
Conforme o dr. Grover “a média de partos atendidos na emergência do hospital local é de dois por mês. “Graças a Deus não houveram intercorrências, tendo se desenvolvido naturalmente e foram partos espontâneos. Todos os casos por nós atendidos, foram encaminhados posteriormente para o hospital referência para partos aqui na região, que é o de Osório”.
Explica o médico, ainda, que o que é preconizado pelo Ministério da Saúde para todas as gestantes são de três consultas pré-natais por gestação. “O ideal é que todos os partos sejam realizados em centros especializados com obstetra, médico especialista ou o ginecologista e que faz acompanhamento dessas pacientes, já que podem apresentar múltiplas complicações, mesmo sendo parto normal, porque o bebê pode nascer com cordão umbilical no pescoço, ou quando o feto está de costas”. Grover acrescenta que se trata de uma complicação muito frequente e a gestante tem que ser atendida em hospital especializado, visando garantir o bem-estar da mãe e do bebê. “Ela precisa, inclusive, de acompanhamento de pediatra. Na parte do bebê, os primeiros auxílios de animação fetal quando acontecem casos mais delicados, são os de animação fetal, porque o bebê pode apresentar complicações que não se esperavam e, se ocorrem, é um caso crítico e não temos a estrutura adequada para esse tipo de paciente”, destaca.
Reafirmamos que, se a paciente procurar o atendimento sempre o terá, mas o intuito é alertar e prevenir danos a mamãe e ao seu bebê.
ACOMPANHAMENTO
O médico afirma que o Ideal é que as mães façam acompanhamento pré-natal e que sejam encaminhadas a um hospital de referência. “O pré-natal é muito importante, porque além dos exames de imagem, são feitos exames de sangue, laboratoriais e especialmente se for uma gestação de alto risco, no caso se a mãe é diabética ou hipertensa, porque mesmo que esteja tudo certo com a gestante pode haver intercorrência a todo o momento, ela tem que ser atendida num centro especializado. Não que o nosso hospital não esteja preparado, mas visando garantir o bem-estar do filho e da mãe”.
HOSPITAIS DE REFERÊNCIA
Por sua vez, a dra. Márcia Müller afirma ser importante saber quais são os locais referência para partos. “Em nossa região são Osório e Tramandaí para alto risco. Quando a paciente realiza o seu pré-natal, já se sabe quantas ecografias são necessárias e as orientações para que ela saiba onde terá o bebê. Logicamente que se ela estiver saindo de casa e entrar em trabalho de parto e mora perto do hospital, deve procurar a emergência do hospital. Nosso intuito é de orientar. E graças a Deus, desde 2017, todos os partos realizados aqui no hospital tiveram um desfecho feliz com as crianças nascendo bem e, após, as mães e os bebês foram encaminhados para o hospital de referência. Mas o que gostaríamos, é realmente de orientá-las”.
Márcia adianta, ainda, que quanto aos partos atendidos no Hospital Santo Antônio da Patrulha, há épocas dessas ocorrências. “Por exemplo: na semana retrasada houve um parto e semana passada, outro. Isso talvez ocorra porque as mães fiquem preocupadas em procurar o hospital devido à pandemia e por isso, ficam aguardando em casa até a última hora”.
EQUIPES 24 HORAS
Mas a médica deixa claro que o hospital tem equipes 24 horas “e se precisar, vamos transferir para o atendimento da obstetrícia. Mas nossa ideia é orientar para que as mães realizem o pré-natal, as ecografias e que saibam quantas semanas de gestação estão, porque podem acontecer casos em que haja uma gestação de gêmeos e para isso o nosso hospital não é referência. Mas o que me deixa feliz é ver o que os médicos estão conseguindo aqui e de serem excelentes na hora dos partos, sendo incríveis no atendimento aos pacientes”.
Por fim, o dr. Grover diz que essas intercorrências geralmente acontecem com as pacientes que não fizeram o pré-natal adequado. Uma das mães que teve o seu bebê no Hospital Santo Antônio fez apenas uma consulta pré-natal quando soube que estava grávida no sétimo mês de gestação.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *