Floriculturas comemoram ótimas vendas de flores nos Finados | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Floriculturas comemoram ótimas vendas de flores nos Finados

Floriculturas comemoram ótimas vendas de flores nos Finados

As floriculturas de Santo Antônio da Patrulha estão comemorando o bom volume de vendas proveniente da comercialização de flores para o período de Finados neste ano.
Apesar da pandemia, os comerciantes não podem se queixar.
Como é o caso de Elizabete Sttefens, da Floricultura Padre José, localizada na Rua Domiciano Nunes. Ela conta que a procura foi maior do que no ano passado, mesmo com a pandemia. Sábado (31/10), foi quando se vendeu mais, porém, durante toda a semana a procura foi considerada boa. No domingo (01), terminaram os crisântemos As vendas se concentraram em crisântemos, calandiva e rosas.
Na Floricultura Pingo de Ouro não foi diferente: desde segunda-feira a procura foi aumentando dia a dia com maior culminância no final de semana. Conforme Leonardo dos Santos, este ano a Floricultura, que também atende na Sete de Setembro, se concentrou em um só local devido à pandemia.
Já na Terra Verde, que se situa na Rua João Pedroso da Luz, em frente ao Mercado Compre Bem, os proprietários Ana Lúcia Collar da Silva e o marido Ronaldo Silva, estão só sorrisos pelas ótimas vendas praticadas. “Inclusive colocamos um ponto de vendas na frente do cemitério e foi tudo, celebrou Ronaldo, no que foi confirmado por Ana Lúcia.
“Nos três últimos dias, sábado, domingo e segunda-feira, venderam praticamente tudo e na segunda-feira pela manhã as prateleiras estavam quase vazias.
Muita gente que vem de Porto Alegre e precisa passar pela Rua João Pedroso da Luz e pessoas que vêm do Caraá, param naquele local, ponto estratégico para a compra de flores, especialmente nesta época da Finados.
PONTO NO CEMITÉRIO
Mas teve um ponto de venda de flores que amargou prejuízo. Localizado na frente do cemitério, ele fora instalado ficando à cargo de José da Rosa Martins, que afirma ser de Cachoeirinha, mas cuja esposa mora em Santo Antônio. O casal tem um filho de um ano e quatro meses e ele disse que fora cuidar do ponto de venda para sua mulher, mas a procura foi muito pequena. Disse que a maioria já chegava ao cemitério com as flores compradas antes e que por isso, as vendas foram muito fracas.