Demissões começam assustar setor calçadista | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Demissões começam assustar setor calçadista

Demissões começam assustar setor calçadista

O setor calçadista, segundo mais forte em arrecadação de impostos e geração de empregos em Santo Antônio da Patrulha, também não conseguiu escapar dos reflexos da crise econômica. O ano de 2015 vem se mostrando como um dos mais sombrios para o setor no Município, especialmente no que se refere a demissões.

Em um universo de 3,5 mil empregos, o setor sofreu uma baixa de 100 demissões apenas nos últimos três meses de 2015. Cenário bem diferente do mesmo período de 2014, quando o clima era de pleno emprego, inclusive com a geração de 72 novos postos de trabalho.

Um dos motivos apontado pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores Calçadistas de Santo Antônio, Celso Inácio da Silva, para as demissões é a carga tributária e o aumento no custo do transporte público. Ele ressalta que o ICMS é um dos principais vilões, encarecendo o produto para o consumidor e o repasse da fábrica para os ateliers. Com referência ao valor das passagens, Celso diz que está negociando com o Prefeito Municipal uma alternativa para reduzir os custos, garantindo a manutenção dos empregos.

“O reajuste das passagens já provocou demissões em fábricas e ateliers. Logo que fui informado, solicitei uma audiência com o prefeito Paulo Bier, a fim de encontrarmos uma solução para este impasse”, destacou Celso.

Por sugestão do Prefeito, o líder sindical está promovendo um levantamento dos trabalhadores que utilizam o transporte público municipal para chegar até as fábricas. Após, ele deve repassar os dados a Administração, para avaliação. De acordo com Silva, a intenção solicitar uma ajuda de custo ou então isentar os trabalhadores.

Valorização do dólar não ajuda

Apesar da valorização do dólar e da expectativa de um preço mais competitivo para o sapato no mercado externo, fábricas como a Bottero e Picadilly, com filias em Santo Antônio, estão tendo que diminuir a produção. Segundo informações, a Bottero deu 30 dias de férias para os funcionários. Já a Picadilly, vem revezando na esteira, com folgas de 15 em 15 dias para os trabalhadores. Com foco no mercado interno a RR Shoes e Calçados Bugor, sofrem com o crescimento da inflação, alta na demanda pelo couro brasileiro no exterior e insumos importados, utilizados na linha de produção, que também ficam mais caros em decorrência da alta do dólar.

 

Texto e foto: Gabriela Gomes



A Falcon5M foi criada em Porto Alegre para o Brasil todo a partir da união entre as empresas W5M Comunicação e Falcon Designer, ambas com ampla experiência de 6 anos no mercado.