Comunidade se manifesta tanto a favor como contra a decisão de retorno às aulas | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Comunidade se manifesta tanto a favor como contra a decisão de retorno às aulas

Comunidade se manifesta tanto a favor como contra a decisão de retorno às aulas

A decisão do retorno às aulas divide as opiniões. A Folha Patrulhense selecionou opiniões pró e contra e que foram postadas na live do prefeito ao anunciar o escalonamento do retorno às aulas presenciais. Estamos resguardando a identidade das pessoas que manifestaram suas opiniões.

PRÓS

*Cada pessoa que quer viver, tem que se cuidar. Não adianta culpar os outros. fica a dica.

*Se dá para ir no mercado, passear, fazer churrascada com a família e amigos, por que não deixar as escolas abertas para quem precisa? É para quem precisa e quer, quem não quer, não tem motivo para histerias.

*Na hora de ir para a praia, feriadão, que engraçado que ninguém se preocupou. Tem é que voltar tudo ao normal. O vírus é inevitável, ninguém passará o verão trancado em casa. Se não pegar na escola, ou no trabalho, pegará de outro jeito. O caso é que muitas pessoas são assintomáticas e não terão nenhum sintoma.

*Não é só na escola que o vírus está. Ninguém é obrigado a levar os seus familiares filhos para a escola, não vou levar o meu, mas vou retornar porque sou professora.

*Isso mesmo. Parabéns ao prefeito que apoia o retorno!

*Centro lotado, supermercados também, as praças então nem se fala, e ainda vem julgar a volta às aulas? Sou de total apoio a volta. Se nos lugares citados não têm vírus por que na escola vai ter? Quanta hipocrisia!

*Parabéns, prefeito Daiçon, pela nobre atitude em liberar o retorno. Com certeza você está rodeado de pessoas que têm conhecimento. Pena a cidade vizinha, Osório, pensar diferente.

CONTRA

*Não há como apoiar uma medida descabida como esta do retorno da educação infantil, principalmente os menores que não ficam de máscara, que não mantêm distanciamento, e que são geralmente assintomáticos e convivem com avós e pessoas muitas vezes de risco.

*O prefeito vai se responsabilizar pelas vidas dos funcionários, professores e alunos? Qual é a necessidade de um retorno, faltando dois meses para acabar o ano?

*Meu questionamento é que voltar agora para quê?
Não somos assistentes sociais! O problema de vulnerabilidade não é da escola; os pais não ter com quem deixar para trabalhar não é problema da escola (a escola não tem filhos, cada pai é responsável pelo ser que colocou no mundo.
Não estou responsabilizando ninguém, mas se ele quer retorno ele que se responsabilize pelos pais que não vão seguir os protocolos.
Obs: Política em primeiro lugar?

*Meus filhos e netos não vão para praia e também não vão pagar por causa dessas pessoas… que estão indo para a praia ou fazer festa. Somos pobres, mas não rico metido a besta.

*Pois é… Não temos mais óbitos, e por que a volta às aulas já que estamos com tudo estabilizado? Semana passada havia funcionárias aguardando resultado de exames de Covid-19. Então para que a volta às aulas? Alguém pode explicar por quê?

*Meu filho não volta. Compreendo que muitos não têm opção, que precisam mandar seus filhos, respeito isso. Porém, penso que esse retorno só vai comprometer o próximo ano. Teremos novos casos e quem sabe algo ainda pior do que temos visto.

*Crianças maiores já é difícil controlar, imagina educação infantil, onde não ficam de máscaras, não fazem distanciamento, pegam chupetas umas das outras. Uma lástima esse retorno. Que os pais tenham consciência do risco no qual estão expondo seus filhos.

*Parece piada!!! Duvido que a maioria dos pais queiram que seus filhos ou netos voltem… Começa agora no final do ano, mas, já tem alguns feriadinhos para descansar… Palhaçada! Ou estou errado?

*Em um mês não irá se recuperar o ano todo. O governo quer que os pais assinem um termo de responsabilidade, mas será que ele (governo), vai colocar os EPIs (Equipamentos Individuais) à disposição. Sou contra o retorno e meu filho não voltará enquanto essa pandemia não passar e não houver garantias de que a saúde de todos não venha a ser afetada.