Cautela e prudência sobre retorno das aulas em escolas municipais | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Cautela e prudência sobre retorno das aulas em escolas municipais

Cautela e prudência sobre retorno das aulas em escolas municipais

Enquanto o governo do Estado decide pelo retorno gradativo às aulas, em Santo Antônio da Patrulha o prefeito municipal prefere agir com mais cautela e prudência.
Por isso, recentemente, foi promovida reunião com a secretária da Educação para discutir o assunto da Educação em tempos de pandemia.
E foi para tomar uma decisão de tamanha responsabilidade, que decidiu ouvir primeiro os representantes de diversos setores da sociedade. Assim, no encontro virtual transmitido pelo Facebook, foi decidido que as aulas não retornam antes do dia 1º de outubro e que a volta será definida de forma conjunta, ou seja: sem atropelos.
O grupo composto para avaliar e decidir sobre o caso conta com representantes de professores, pais de alunos, Comitê de Prevenção e Combate à COVID – 19, secretarias municipais de Educação, Saúde e Administração, Procuradoria Geral do Município, OAB/SAP, Câmara de Vereadores, ACISAP, sindicatos de trabalhadores, Conselho Municipal da Educação, escolas particulares e espaços de recreação.
O prefeito ouviu a todos e a maioria não considera seguro o retorno às aulas neste momento. Daiçon lembrou que a pauta aborda a rede municipal, pois o ensino médio é competência do Estado e também sobre as universidades o Município não tem gerência. Mas, afirmou que os alunos da Educação Infantil matriculados na rede estadual seguirão as regras do Município. “Estamos com o ensino presencial suspenso desde o dia 16 de março e não vamos voltar enquanto não for seguro. No entanto, temos muitas questões que precisam ser avaliadas e conto com a colaboração de todos vocês”.
PRUDÊNCIA NAS DECISÕES
A secretária municipal da Educação, Dalva Maria Provenzi de Carli, apresentou os números da rede, que somam 8.499 alunos, o que segundo ela, demonstra o grande volume de crianças e adolescentes o que evidencia que é necessária a prudência na tomada de decisões. Ela também apresentou o planejamento da Secretaria Municipal da Educação para a retomada em momento oportuno com foco na preservação da vida e recuperação da aprendizagem de todos os estudantes.
MERENDA ESCOLAR
O prefeito lembrou que a merenda escolar vem sendo distribuída à famílias de alunos em situação de vulnerabilidade, mas segundo ele, esta solução não substitui as cinco refeições por dia que as crianças tinham na escola. Outra situação levantada pelo prefeito foi que pais precisam trabalhar e não têm com quem deixar suas crianças.
O aumento de cuidadores de criança em casa também está aumentando e também é motivo de preocupação. A presidente do Conselho Municipal de Educação, Carla Meregalli, disse é preciso pensar nos riscos que crianças deixadas em locais não habilitados, deve ser avaliado. “Sabemos que as crianças estarão muito melhores em nossas escolas, que têm plano de contingência e que, se funcionarem atenderão todos os protocolos de segurança”, afirmou.
A Irmã Cecília Martinello, do Colégio Santa Teresinha disse que irão “seguir a ordem do Município, já que estamos dentro dele”. Diz que na segunda quinzena de agosto fizeram enquete e 76% dos pais disseram que não voltariam às aulas.
Já na Escola Adventista a secretária Andressa Souza afirma que a última informação da Secretaria da Educação é de que, somente depois de três bandeiras laranja é que isso poderá acontecer. Ou seja, antes de outubro o retorno está descartado.