Superintendente da PRF negou política de fechamento de postos | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Superintendente da PRF negou política de fechamento de postos

Superintendente da PRF negou política de fechamento de postos

Um documento pleiteando a nomeação dos aprovados no concurso público realizado em 2013 e a manutenção dos postos da Polícia Rodoviária Federal no Estado será encaminhado aos órgãos responsáveis pela Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembléia Legislativa. O assunto foi tema de audiência pública, realizada na manhã desta quinta-feira (7), para discutir a política de fechamento de unidades e de redução do efetivo da PRF no estado. O fechamento do posto de Gravataí, na Free-Way, já estava previsto desde dezembro passado.

O superintendente da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Jerry Adriane Dias Rodrigues, negou a existência de uma política de fechamento de postos. O que há, segundo ele, é um novo contexto que leva em consideração a distância entre uma unidade e outra, evitando vazios e a concentração de postos numa mesma região. Além disso, a política em curso prioriza a fiscalização de pontos críticos e incorpora novos instrumentos de trabalho, como o videomonitoramento.

Rodrigues admitiu, no entanto, a falta de servidores em decorrência de aposentadorias. Hoje, o Rio Grande do Sul conta com 40 unidades e 731 policiais rodoviários federais. O efetivo chegou a ser integrado por mais de 800 servidores em 2007.
Aumento da malha viária

O presidente do Sindicato Estadual dos Policiais Rodoviários Federais, Deolindo Paulo Carniel, lembrou que o estado já contou com 46 postos da PRF antes do aumento de sua malha viária federal a partir da federalização de estradas e da construção da BR-448. “Aumentaram a malha, fecharam postos e reduziram o efetivo”, criticou.

Carniel defendeu a realização imediata do curso de formação para os 766 aprovados no concurso público de 2013 e ainda não chamados pelo governo. “O prazo já está apertado para fazer o curso, que tem duração de quatro meses, antes do fim da validade do concurso, que é maio de 2016”, frisou.

Já o representante da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais William Thomas revelou que a Polícia Rodoviária Federal tem cerca de três mil cargos vagos. Ele defendeu também a alteração da Portaria 40/2013, que cria os critérios para a distribuição do efetivo. “Se isso acontecer, a Região da Fronteira corre o risco de ficar sem policiais”, alertou.