Um é executado e outro quase morre só por estar na rua | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Um é executado e outro quase morre só por estar na rua

Um é executado e outro quase morre só por estar na rua

Um jovem de 22 anos foi executado e outro quase morreu de graça na noite de quarta-feira, no bairro Bonsucesso. Anderson Delfino de 22 anos, morreu após ser alvejado por mais de 30 disparos. Já T.P.O., 30 anos, escapou da morte por pouco. Ele seguia pela rua quando foi surpreendido por Anderson que corria para fugir de seus algozes e acabou levando um tiro. “Ele teve muito azar e muita sorte ao mesmo tempo”, comentou o comissário Jair Gonçalves, chefe da equipe de investigações da delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ao se referir a T.P.O., que escapou por pouco da morte.

Por volta das 20h15, ele saiu de sua casa, onde tinha tomado banho para dar uma volta com outros três amigos. O trio caminhava pela rua Borges de Medeiros, quando próximo da escola Tuiuti, viram um homem correndo na direção em que estavam, sendo seguido por um veículo em que os ocupantes atiravam. Os três amigos tentaram correr, cada um para um lado. TPO ficou um pouco mais para trás e acabou sendo atingido por um tiro no abdômen. Já Ânderson pulou a grade e pulo para dentro do terreno de uma casa de esquina para tentar escapar dos algozes. Infelizmente, atingido por mais de dez dos 30 tiros, acabou caindo morto.

Por sorte, moradores próximos que ouviam os disparos, acionaram o Samu para atender a ocorrência, mesmo sem saber exatamente o que estava acontecendo. Mesmo ferido, TPO que tinha se escondido em um mato que tem próximo do local do crime, ao ouvir a sirene da viatura do Samu, saiu correndo e atacou os socorristas. Foi atendido e encaminhado ao hospital Dom João Becker. “Por sorte o socorre veio rápido e fez a diferença no caso dessa vítima”, disse o policial.

O crime Testemunhas que não quiseram se identificar relataram que Ânderson estava conversando com alguns conhecidos na praça, quando um veículo se aproximou e os ocupantes passaram a atirar. Para fugir, ele saiu correndo e foi perseguido pelos bandidos que deram pelo menos 30 tiros na direção do jovem. Os crimes estão sendo investigados pela DHPP, que vai tomar depoimento do sobrevivente, de moradores próximos e de familiares das duas vítimas para tentar esclarecer as motivações dos crimes.

Texto: Patricia Mello