Quarteto é preso depois de arrastão na parada 68 | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Quarteto é preso depois de arrastão na parada 68

Quarteto é preso depois de arrastão na parada 68

Quatro malacabados, dentre eles um menor de idade foram presos na madrugada de quarta-feira, depois de cometer pelo menos quatro assaltos a pedestres no entorno da parada 68 da avenida Dorival de Cândido Luz de Oliveira. O bando agia com violência, tanto que uma das vítimas precisou ser encaminhada ao hospital, pois foi agredida pelos criminosos. F.R.B., 23 anos, W.F.A., 20, G.L.R., 21 foram presos em flagrante e um menor de 16 anos, foi apreendido e encaminhado para o ministério Público.

Depois de praticar os assaltos, o quarteto seguia em um veículo Kadett de cor cinza como se nada tivesse acontecido. Nem imaginavam que uma viatura da 2ª Cia do 17º BPM seguia no encalço deles, tanto que os abordou na rua Araranguá, bairro Cohab A, por volta das 2h. Em revista no carro encontraram dois bonés, um par de tênis e um aparelho celular, pertencentes as vítimas. Os quatro foram reconhecidos por uma das vítimas.

Ao consultar o sistema de identificação, constataram que F.R.B.tinha antecedentes criminais por posse e tráfico de entorpecente, desacato, resistência, dano e direção perigosa. Estava em liberdade desde agosto de 2011. W.F.A., tem antecedes por ameaça. Já G.L.R.,possui passagens por tráfico e estava em liberdade por habeas corpus desde novembro de 2012. O adolescente de 16 anos não tinha antecedentes por atos infracionais.

Os crimes aconteceram na avenida Dorival, na altura da parada 68. Foram pelo menos quatro ataques sem sequência. Uma das vítimas, que não quis se identificar, foi agredida a socos pelos malacabados e precisou ser atendida no hospital Dom João Becker. Presos, os quatro foram encaminhados à delegacia de Polícia de Pronto Atendimento, onde foram autuados em flagrante pelo crime de latrocínio tentado e associação criminosa. Os três adultos foram recolhidos ao Presídio Central e o adolescente encaminhado ao MP.

Texto: Patricia Mello