Mãe não consegue retirar corpo de filho morto | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Mãe não consegue retirar corpo de filho morto

Mãe não consegue retirar corpo de filho morto

O corpo do homem morto na madrugada de 28 de favereiro, suspeito de ter roubado um carro na Avenida Dorival Cândido Luz de Oliveira ainda não foi liberado para a família. Alessandro da Silva Pereira, 32 anos segue no departamento Médico Legal, em Porto Alegre. Segundo a mãe, L.G.S.V., a falta de um documento com foto é que está impedindo a liberação da pessoa.

Com a certidão de nascimento nas mãos, a mãe esteve na delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para tentar uma autorização da policia para retirar o corpo, mas o pedido foi negado. A explicação foi a mesma que ela recebeu em Porto Alegre, que, faltava um documento com foto para a identificação. O grande entrave, segundo a polícia, é que quando aconteceu o confronto, ele estava usando identificação como se fosse Anderson da Silva Verneti,por esse motivo, para comprovar que ele é mesmo o Alessandro, a mãe teve que fazer um exame de DNA. “Para comprovar que ele é mesmo o Alessandro, o filho dela. Infelizmente as coisas são assim. Para liberar o corpo tem que comprovar que é ele mesmo”, disse o chefe de investigações, comissário Jair Gonçalves”.

Alessandro morreu após trocar tiros com policiais militares do 17º Batalhão de Polícia Militar, por volta da 1h, quando teria abordado um casal na parada 70 da Avenida Dorival Cândido Luz de Oliveira. Armado, ele anunciou o assalto e levou a caminhonete Fiat Strada do casal. As vítimas foram até um posto de combustíveis, onde o condutor de um Monza, junto com o casal, passou a seguir o carro levado pelo criminoso. Assim, foram passando para a BM a localização do carro. Uma viatura avistou o veículo na rua Santa Clara, bairro Santa Fé e iniciou a perseguição.

Dada a ordem de parada, o suspeito desceu do carro e passou a atirar contra os PMs para tentar fugir a pé. Os policiais revidaram, acertando Ânderson que morreu no local.

Texto: Patricia Mello