Guerra entre duas facções pode ter causado execuções | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Guerra entre duas facções pode ter causado execuções

Guerra entre duas facções pode ter causado execuções

Uma guerra entre facções criminosas ligadas ao tráfico é que pode estar por trás das mortes do casal Ana Paula Pedroso, 20 anos, e do marido dela, João Gabriel Amaral de Oliveira, 24. Ela foi morta na noite de segunda-feira e ele, na quinta-feira passada, ambos a tiros.

O carro usado no crime, foi encontrado queimado, meia hora depois dos disparos, na travessa Itacolomi. O delegado Ânderson Spier, que comanda a delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) revelou que, na última semana, integrantes de uma quadrilha rival que pode estar por trás das mortes foram soltos da cadeia. “Possivelmente eles estavam atrás de pontos de tráfico”, destacou.

O que impressiona é que o carro onde estava Ana, foi alvejado por cerca de 60 disparos. Ana, que estava grávida de seis meses, morreu na hora, com um tiro no olho. Já os outros três ocupantes adultos, ficaram feridos. As duas crianças, um menino de quatro anos, filho de João e uma menina de sete, filha da irmã de Ana, que também estava no veículo, não foram atingidas pelos tiros.

Pela investigação, a polícia reforça que a intenção mesmo era de matar o irmão de João, Nathaniel Amaral Oliveira, que era um dos quatro adultos que estavam no carro. Ele tinha progredido para o regime semi-aberto no dia 27 de abril e no dia em que João, seu irmão, foi morto, os dois tinham marcado de se encontrar, mas Nathaniel acabou se atrasando.

“As investigações apontam para o fato de que os dois seriam executados no mesmo dia”, analisou. O crime aconteceu por volta das 16h30, quando o veículo Pálio em que Ana estava, seguia no sentido centro/bairro. Em frente a Ulbra, um Corsa Classic encostou e os ocupantes ligaram o giroflex. Em seguida desceram e metralharam o Pálio. O Corsa foi abandonado meia hora depois, incendiado. A polícia descobriu que ele estava clonado.

Texto: Patricia Mello