Ressuscitando sonhos e formando cidadãos | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Ressuscitando sonhos e formando cidadãos

Ressuscitando sonhos e formando cidadãos

por Dijair Brilhantes

O projeto Ressuscitando Sonhos nasceu em setembro de 2014, na Praça da Juventude, no Bairro Granja Esperança.  O objetivo é fortalecer o vinculo da criança ou jovem com a família e o esporte, evitando agravos que possam provocar um desvio de conduta social. Mais de cem crianças e adolescentes em situação de risco ou exclusão social passam uma hora e meia das tardes de segundas, quartas e sextas-feiras, na convivência dos amigos, praticando esportes e aprendendo lições valiosas para o desenvolvimento pessoal, cultural e comunitário.

Segundo um dos idealizadores do projeto, Anderson Farinha, a ideia foi amadurecida aos poucos, e foi ganhando corpo. “Hoje entre crianças e jovens temos 107 atletas cidadão escritos”, comemora.

Aulas

O projeto Ressuscitando Sonhos é um sonho antigo do ex-lateral direito Barão. Conhecido no futebol gaúcho, o agora professor consegue transmitir confiança aos alunos devido seu histórico como atleta. “Tanto os alunos quanto os pais enxergam no Barão um bom exemplo pras crianças, já que ele é morador aqui da Granja e foi atleta profissional.” ressalta Farinha.

Cidadãos

Segundo Barão, quando ainda atuava nos gramados, ele sempre pensou em realizar um trabalho social, mas antes de querer formar o atleta, o projeto Ressuscitando Sonhos tem como objetivo formar o cidadão. “O projeto visa a tirar as crianças do contato com a violência, com as drogas, e se possível formar o atleta”, diz Barão.

O ex-jogador trabalha na Secretaria de Esporte e Lazer da Prefeitura de Cachoeirinha, e  faz um trabalho semelhante na quadra de futsal da Praça da Juventude, no período das 13 às 17:00.

Custos

As dificuldades encontradas pela dupla que coordena o projeto são devido a falta de recursos e apoio tano da prefeitura quanto privados, já que qualquer jovem ou criança entre 8 e 17 anos pode participar, sem custo algum, desde que com autorização dos pais. “Não temos apoio nenhum da prefeitura, todo material que utilizamos ou vem de doações ou nós mesmos compramos” lamenta Farinha.

Barão faz um apelo, segundo ele qualquer doação é bem vinda, seja de bolas ou coletes. Quem quiser colaborar com o projeto pode contatar o Barão, através do telefone 51-8243-8494.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *