PPP da Corsan: Ambiental Metrosul inicia a operação na Região | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

PPP da Corsan: Ambiental Metrosul inicia a operação na Região

PPP da Corsan: Ambiental Metrosul inicia a operação na Região

Responsável pela universalização da coleta e tratamento do esgoto em nove municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre, nesta terça-feira (1º/12), a Ambiental Metrosul inicia a operação assistida, com o acompanhamento da Corsan. Desde setembro, as empresas trabalham na transferência operacional do sistema, etapa que seguirá até maio de 2021, quando a parceira assumirá a operação plena do esgotamento sanitário em Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Eldorado do Sul, Esteio, Gravataí, Guaíba, Sapucaia do Sul e Viamão.

Para o começo efetivo dos trabalhos, os planos comercial, operacional e socioambiental estão aprovados e o plano de obras será entregue à Corsan no prazo previsto em contrato, além de garantidas todas as licenças exigidas, habilitando a empresa para o início da operação. Em paralelo, houve intensa mobilização da Ambiental também na estruturação da empresa, preparação e treinamento das equipes para a operação integral do sistema.

Nessa estrutura está o Centro de Controle Operacional, que já monitora o funcionamento das principais estações de tratamento e bombeamento por meio de sensores de nível e de movimento que permitem uma atuação mais rápida em eventuais problemas no processo. Também foram implantadas câmeras de monitoramento que ajudam a identificar eventuais extravasamentos e fazem a segurança patrimonial evitando o furto de equipamentos e o vandalismo nas estações.

Tecnologia de ponta no levantamento de ativos

Para o início da operação, também foi necessário identificar, categorizar e avaliar as condições de todos os ativos que estão sendo transferidos pela Corsan à Ambiental Metrosul. Para isso, a empresa utilizou o que há de mais moderno em captura e processamento de imagens no mapeamento dos componentes (bombas, sopradores, painéis, entre outros). Com informações coletadas por drones e placas QR Code implantadas em cada dispositivo das mais de 120 estações de tratamento e bombeamento, foi criado um banco de dados que mostra onde está o ativo, de que tipo ele é, se está funcionando corretamente e qual a quantidade. A partir dessas informações foram gerados modelos tridimensionais de todas as instalações, que são facilmente acessadas pelos especialistas através de um aplicativo próprio.

Responsabilidade socioambiental

Ainda, a Ambiental Metrosul incrementa a sua atuação desenvolvendo e implementando projetos socioambientais nas cidades onde atua. São iniciativas customizadas de acordo com a realidade e necessidades de cada comunidade que incluem cursos profissionalizantes nas áreas de eletromecânica e hidráulica; programas de educação e conscientização voltados à preservação do meio-ambiente, incentivo à pesquisa e voluntariado. O início dessas atividades está previsto para março próximo.

Parceria público-privada

Em até 11 anos, por meio da PPP, a Ambiental Metrosul vai expandir para mais de 87% o número de residências com a coleta e tratamento de esgoto na RMPA, beneficiando em torno de 1,7 milhão de pessoas. Atualmente, apenas 50.000 m³ são tratados e devolvidos ao ambiente diariamente, o que corresponde a 36% do volume total produzido.

Por meio de 36 estações de tratamentos (ETEs) e 96 estações de bombeamento (EBEs), todo o esgoto coletado pela empresa será tratado seguindo padrões nacionais na realização do processo antes de ser lançado nos rios Caí, Gravataí e Sinos. Além da prestação dos serviços de coleta e tratamento do esgoto, estão previstos, ainda, a gestão do parque de hidrômetros (instalação e substituição com a aquisição dos aparelhos) e identificação e eliminação de fraudes em água e esgoto.

O contrato da PPP foi firmado entre as partes em março deste ano após a Aegea Saneamento, holding a qual pertence a Ambiental Metrosul, vencer o leilão promovido pela Companhia Riograndense de Saneamento em novembro de 2019. Durante os 35 anos de operação estão previstos investimentos de R$ 1,77 bilhão, sendo R$ 1,4 bilhão da Aegea, dividido em R$ 1,03 bilhão para expansão do sistema de esgoto e R$ 374 milhões para ações comerciais e operacionais.