MARCO ALBA COBRA ATITUDE DO GOVERNADOR | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

MARCO ALBA COBRA ATITUDE DO GOVERNADOR

MARCO ALBA COBRA ATITUDE DO GOVERNADOR

Em um pronunciamento contundente pontuado pela indignação e inconformidade, feito em uma live, no início da tarde deste domingo, 21, o prefeito de Gravataí, Marco Alba, fez uma dura cobrança do governador Eduardo Leite pelo fato de o governo do Estado ter praticamente mandado embora um investimento de R$ 450 milhões que a Mercado Livre, que atua no mercado online, faria em Gravataí, com a instalação de um centro de distribuição. Seriam 500 novos empregos diretos e pelo menos dois mil indiretos. Na quarta-feira à noite, a direção da empresa comunicou o prefeito Marco Alba, por telefone, que estava desistindo do empreendimento, alegando que as negociações com o Estado não teriam sido “bem-sucedidas”. O prefeito mostrou, ponto a ponto, todos os passos, desde os primeiros contato com representantes da empresa, até o desfecho trágico para a economia de Gravataí e do Rio Grande do Sul. Lei na íntegra a manifestação do prefeito Marco Alba:

“A Mercado Livre, e a Verdade dos fatos!”
“Na última sexta-feira, 19 de junho, depois de uma nota oficial do governo do Estado, que não esclareceu nada, o governador Eduardo Leite publicou um vídeo mostrando o seu total desconhecimento e descaso com o Rio Grande do Sul e Gravataí de um modo especial.

Vamos aos fatos:
No dia 1º de agosto de 2019, a Mercado livre encaminha a sua solicitação de benefícios para instalação no Município de Gravataí.
Dia 2 de outubro de 2019, após análise técnica e legal quanto ao investimento e regularidade fiscal, concedemos os incentivos municipais.
Em 29 de novembro de 2019, Gaúcha ZH Economia publica: ‘Gigante do comércio online, Mercado Livre abre mais vagas de emprego para cargos estratégicos no RS, o início da operação da Mercado Livre está previsto para o primeiro trimestre de 2020’.
Em 19 de fevereiro de 2020, Gravataí entrega o Alvará de Funcionamento.
Em 27 de fevereiro de 2020, Gaúcha ZH – Economia Publica: ‘Mercado Livre suspenderá o andamento do empreendimento, devido a impasse com o Governo do Estado’:
‘Já com previsão de inauguração e funcionários selecionados, a Mercado Livre suspendeu as obras e as contratações para o centro de distribuição em Gravataí, na região metropolitana de Porto Alegre. Gigante mundial do comércio eletrônico, a empresa pretendia dar início à operação ainda no primeiro trimestre do ano.’
No mesmo dia, 27 de fevereiro de 2020, o governo do Estado solta uma nota dizendo:
‘A Sefaz tem mantido contato permanente com a empresa e com a Sefaz de SP para garantir o investimento no Estado. A legislação atual exige que empresas de outros estados tenham inscrição no RS. Estamos trabalhando para harmonizar a legislação para que fique igual à SP, a qual foi recentemente alterada, no mês de dezembro.’
PASSADOS 110 dias (QUATRO MESES), VOLTAMOS AO TEMA:
No dia 17 de junho de 2020 a Mercado Livre me informa do encerramento de suas tratativas com o Governo Estado e que desistiu da implantação do CD em Gravataí.
No dia 18 de junho de 2020, o Portal de Notícias Giro de Gravataí recebe informação através de fonte de dentro do Governo do Estado do encerramento das tratativas com a Mercado Livre e esta não virá mais pra Gravataí.
No dia 19 de junho de 2020, novamente no Gaúcha ZH Economia: ‘Mercado Livre publica nota oficial confirmando a sua desistência de instalar-se no RS’.
Horas após, o Governo do Estado solta a sua nota oficial, em que, entre outras atitudes, diz novamente que ‘está levando o assunto ao CONFAZ’. Quatro meses depois do primeiro impasse, ainda estão levando o assunto adiante?.
É claro que não, é cristalino que o assunto repousava em algum escaninho, em quarentena.
Mas, não para por aí.
Logo a seguir o governador vem a público e nega a nota oficial da Mercado Livre, dizendo que não foi comunicado e, numa fala que deixou claro a ignorância sobre o assunto, admitiu que há um ano o Governo do RS analisa. Diz que tudo foi atendido para, em seguida, dizer que está fazendo o possível para tudo atender; e finaliza, em discurso diversionista, remetendo o assunto a meros boatos de interesse político. Ou seja, não esclarece nada, não anuncia nada, não decide nada, apenas joga com as palavras tentando diluir esta decisão CATASTRÓFICA para o Estado com o lero lero de sempre: “Nosso compromisso é com a modernização do nosso Estado”.
Governador, ao impedir a Mercado Livre de vir para Gravataí, no Rio Grande do Sul, o senhor está repetindo padrões que só trouxeram prejuízo ao Estado. Está espantando dezenas de outros investimentos que já estavam se encaminhando para o solo gaúcho em virtude deste novo player.
É pior do que mandar a FORD embora, pois naquela oportunidade já tínhamos a GM instalada e, apesar do DESASTRE para a economia gaúcha, o setor automotivo já se encontrava em nosso Estado.
Será que se fosse para Pelotas o senhor teria sido tão insensível assim? Governador, levante-se da cadeira e tenha atitude. Procure imediatamente a Mercado livre e faça tudo o que for necessário para reverter esta situação.
Informe aos fiscalistas da Fazenda Estadual que em tempos de uma CRISE GRAVISSIMA, como essa do CORONAVIRUS, não se vira as costas para NOVAS OPORTUNIDADES. São milhares de empregos que serão gerados se a Mercado Livre abrir seu CD aqui em Gravataí e no Estado. Serão milhões de reais movimentados em um novo modelo de negócios, que, queira o senhor ou não, se consolidará, por força dos novos tempos e da tecnologia que hoje permite. É preciso projetar o futuro, prepará-lo, recebê-lo quando ele bate à nossa porta, não inviabilizá-lo.
Mudar é preciso.Não mudar é fatal! O Rio Grande não pode andar para trás.”




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *