Gravataí trabalha para instituir Carteira de Identificação da Pessoa Autista no município | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Gravataí trabalha para instituir Carteira de Identificação da Pessoa Autista no município

Gravataí trabalha para instituir Carteira de Identificação da Pessoa Autista no município

A Prefeitura de Gravataí, por meio da Assessoria de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência (APPPD), serviço oferecido pela Secretaria Municipal de Governança e Comunicação Social (SGCOM), está trabalhando para que a Lei 13.977/2020, que prevê a instituição da Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea), seja implementada na cidade. Denominada de Lei Romeo Mion, que é filho do apresentador de televisão Marcos Mion e tem transtorno do espectro autista, a normativa tem como objetivo garantir a atenção integral, o pronto atendimento e a prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados para essa parcela da população, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social, evitando a desorganização dessas pessoas e o prejuízo na saúde dos mesmos.

Bruno Peixoto, Assessor de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência, e a servidora com deficiência Patrícia Lisboa estão promovendo ações junto ao Instituto Geral de Perícias (IGP) do estado para que a Lei Romeo Mion seja posta em prática o quanto antes. Em conversa com o Gabinete do Instituto de Identificação do Rio Grande do Sul, na tarde da última quarta-feira, 22 , Patrícia Lisboa buscou um alinhamento mais efetivo do tema ainda que frente à pandemia, tendo em vista que as famílias das pessoas autistas aguardam com urgência a expedição da Ciptea. Tanto a Coordenação Estadual de Políticas públicas para Pessoas com Deficiência quanto o IGP se comprometeram a dar prioridade na busca de providências emergenciais relacionadas ao assunto.

“Você já observou na fila do mercado aquela mãe tentando acalmar o filho que aos seus olhos parece descontrolado? Lembra daquela situação na sala de espera, no hospital, um pai tendo que se retirar da sala com seu filho agitado e o pensamento que vem na sua cabeça é ‘que criança sem educação’? Provavelmente sim. Mas você já se perguntou se a situação não se trata de uma pessoa com deficiência antes de estabelecer um julgamento?”, pondera Patrícia propondo uma reflexão sobre a importância da emissão do novo documento de identificação de pessoas com deficiência.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *