Sarna demódecica, o preconceito por trás dela | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Sarna demódecica, o preconceito por trás dela

Sarna demódecica, o preconceito por trás dela

A sarna demodécica (popularmente conhecida como “sarna negra”), é uma doença causada por um ácaro chamado Demodex canis. Este tipo de sarna não é contagiosa (ou seja, não é transmitida pelo contato direto com um cão doente). Existe uma predisposição genética para doença, que pode ser herdada da mãe, pai ou ambos, portadores da doença. Trata-se portanto de uma doença hereditária. Há outros fatores ligados à imunidade do animal que podem ajudar na manifestação da doença, estresse: mudança de ambiente, mudança brusca de alimentação, presença de um novo animal ou pessoa no ambiente onde vive o animal, maus tratos; Cio e parto nas fêmeas, doenças intercorrentes, uso de drogas imunossupressoras; ansiedade de separação; perda de companheiros humanos; abandono.

A sarna demodécica ocorre nas formas generalizada e localizada. O diagnóstico é feito retirando múltiplas escamas de pele e procurando pelos ácaros. As sarnas demodécicas costumam ser fáceis de encontrar.

O tratamento é longo e requer paciência, amor e condições financeiras. Muitos protetores resgatam um animal nessas condições e devem ficar mais exigentes que o normal na hora da escolha do adotante, pois a sarna demodécica pode se manifestar ao longo da vida.

Cães com sarna demodécica não devem ser reproduzidos, para evitar disseminação do problema;

A castração é obrigatória, pois como visto, o cio e o parto podem ser fatores desencadeantes para o aparecimento do problema;

Cães que manifestaram Demodicidose generalizada na fase adulta ou idosa, devem passar por exames mais detalhados, em busca de doenças concomitantes, como neoplasias, doenças imunossupressoras ou metabólicas.

Lembrando que os medicamentos utilizados para o tratamento da Demodicidose, podem apresentar efeitos colaterais, sendo que algumas raças são mais predispostas a tais reações. Portanto o tratamento deve sempre ser prescrito e acompanhado pelo Médico Veterinário.

Então fique de olho se seu bichinho apresentar sintomas como alopecia (ausência de pêlos), pele avermelhada, hiperpigmentação (pele escura, preta ou acinzentada) e descamação (semelhante a caspa). As lesões são mais comuns na face, mas podem ser encontradas por todo o corpo.

Fonte: portalnossomundo.com