Entrevista exclusiva com Digão da Banda Raimundos | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Entrevista exclusiva com Digão da Banda Raimundos

Entrevista exclusiva com Digão da Banda Raimundos

por Anderson Almeida

Raimundos é uma das principais bandas de Rock do Brasil, formada em 1987 em Brasília, possui 8 discos autorais e 3 discos ao vivo que acompanha DVD. O nome Raimundos é derivado de uma de suas maiores influências, os Ramones. Com 20 anos na estrada a banda tem mais de 3 milhões de cópias vendidas.

 

Todos os discos possuem grandes hits que embalam gerações e são clássicos do Rock nacional. O último disco de estúdio, “Cantigas de Roda”, é o oitavo álbum do grupo, lançado oficialmente em 20 de fevereiro de 2014 e é uma paulada. É o primeiro álbum composto exclusivamente por músicas inéditas desde Kavookavala, lançado em 2002. O disco foi gravado e produzido por Billy Graziadei, vocalista do Biohazard e gravado no seu estúdio em Los Angeles, o Firewater Studios. O disco conta com várias participações: Frango da banda Galinha Preta, revelação brasiliense do hardcore, Sen Dog do Cypress Hill, Stu Ranier do Urban Classics no baixo, Ulises Bella do Ozomatli e Sheffer Bruton nos metais (em Dubmundose Gordelícica) e participação de Cipriano e do próprio Billy Graziadei do Biohazard na última faixa.

 

Os Raimundos tocam em três shows com o Foo Fighters no Brasil, hoje, 23, tocam no estádio do Morumbi (São Paulo), dia 25 no Maracanã (Rio de Janeiro) e dia 28 tocam no Mega Space em Belo Horizonte. Em 2015 o grupo sairá em turnê para comemorar os 20 anos de carreira, em que pedem aos fãs via redes sociais para escolher as músicas que gostariam de ouvir nos shows.

 

Em entrevista exclusiva ao Jornal Correio de Cachoeirinha o frontman dos Raimundos, Digão, fala das atividades do início da banda, do incentivo da cultura no Brasil e das dificuldades que passou na carreira.

 

Correio de Cachoeirinha – Como foi o início da carreira?

Digão Raimundos – Foi algo despretensioso, fizemos a banda pra tocar as músicas que gostávamos e se divertir muito, acho que por isso deu tão certo…

 

CC – Qual sua opinião sobre o incentivo da cultura no Brasil?

Digão – Quando ela é direcionada a quem merece, acho ótimo, mas parece que alguns artistas de renome a usam de um jeito que não concordo muito. A ânsia pelo sucesso a qualquer custo faz a verdadeira arte se perder em forma de um produto de gosto duvidoso e que é empurrado goela a baixo… Enfim, esse é o Brasil…

 

CC – Já teve alguma dificuldade, já pensou em desistir?

Digão – Tivemos muitas dificuldades, mudanças de formação, má vontade de gravadora, o fim do mercado fonográfico, enfim… Teve um momento em que fiquei sem saber o que fazer, um momento de repensar o melhor caminho, ciente que não seria nem um pouco fácil, mas desistir NUNCA passou pela minha cabeça…

 

CC – O que diria para quem está começando a carreira na musica?

Digão – Tem que gostar e querer muito ser músico, saber que não é nada fácil e que haverão momentos em que vão falar que é hora de jogar a toalha, é aí que você busca aquele algo mais dentro de você e segue em frente, só assim a mágica poderá acontecer e fazer o céu brilhar!

 

CC – O que acha sobre os novos reality-shows que incentivam novas bandas e novos cantores?

Digão – Mesmo você não sendo o vencedor, é uma vitrine interessante se souber aproveitar…

 

CC – E qual foi o show mais marcante na carreira?

Digão – Foram tantos (risos)! Tocar com os RAMONES foi um e com mais um monte de bandas que somos fãs, mas o melhor ainda está por vir!!!