Coluna: Política e Afins | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Política e Afins

Coluna: Política e Afins

*O rompimento do vereador Antônio Teixeira (PSB) com o governo do prefeito Vicente Pires (PSB) é como aquela “crônica da morte anunciada”. Desde que conseguiu a façanha de voltar à Câmara de Vereadores como o mais votado do partido, Teixeira entendeu como natural a sua indicação como candidato a prefeito nas eleições de 2016.

*Com a recondução de Miki Breier à Assembleia Legislativa e José Stédile permanecendo na Câmara dos Deputados, em Brasília, os caminhos – em tese – estariam abertos para a construção da candidatura majoritária de um dos vereadores do Partido Socialista Brasileiro.

*Ora, na condição de o mais votado e com vínculos de compadrio com o chefe do Poder Executivo Municipal, Antônio Teixeira pensou que a fatura estaria liquidada. Ledo engano, em se tratando de projeto de poder.

*A proximidade com o prefeito Vicente Pires quem tem é o deputado federal José Stédile. Como criador e criatura um está para o outro, acima de todos os outros. A unidade de um e outro não se prende a laços políticos de ordem ideológica. Está mais para pragmatismo em função de acordos que se projetam e se firmam para além da identidade partidária.

*Uma liderança com possibilidades de “bater fichas” em eventual Convenção Partidária para a escolha do candidato a prefeito em eleição direta reconhece que é muito difícil enfrentar a unidade estratégica entre o prefeito e o deputado federal.

*No dizer da liderança, eles são como eucalipto: nem grama daninha nasce ao redor deles. O que impossibilita a oxigenação partidária. Sem renovação a tendência é que ocorra o trágico abraço dos “afogados”.

*Portanto, nasce morta qualquer tentativa de candidatura socialista alheia ao “amém” de Stédile e Vicente. Quem se “lançar” à revelia deles estará gastando pólvora em chimango, como afirma o dito popular rio-grandense. E tudo não passará de jogo de cena de espetáculo mambembe.

*Ora, foi isso que percebeu Antônio Teixeira. Pelo que, seu voo político doravante não poderá ser turbinado pelo deslocamento de ar do bater de asas da pomba socialista. Sorte dele é que a Reforma Política em andamento no Congresso Nacional aprovou, na semana passada, a abertura de uma janela que possibilita ao parlamentar sair do partido e ingressar em outro sem a consequente perda do mandato.