Coluna: Política e afins | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Política e afins

Coluna: Política e afins

por Roberto Teixeira

*E essa de a deputada estadual Marisa Formolo (PT) entregar honrarias legislativas aos familiares? Claro, o custo das homenagens, como DNA nepotista, foi pago pelos pagadores, com o perdão do trocadilho, de impostos. Gaúchos de Caxias do Sul, terra da parlamentar petista, e de todos os outros municípios do RS.

*Mas, será que essa gente não aprende? Ora, vá prestar loas aos familiares de outras formas. A deputada bem que poderia pagar um suculento churrasco, distribuir cestas com guloseimas finas, proporcionar dias de férias encantadoras em ressortes de alto padrão e por aí afora; mas com o seu dinheiro. Os impostos arrecadados com o suor dos gaúchos deveriam ter finalidades estritamente sociais e sua aplicação em função do bem estar dos mais necessitados.

*Esta senhora – claro – deve ter motivos para demonstrar invulgar apreço por seus familiares. É sempre oportuno e legítimo o quinhão da gratidão. Entretanto, usar o mandado e os poderes dele advindos para desenvolver ações cujo interesse público se contrapõe ao privado é mais do que uma indignidade: trata-se de afronta e escárnio à confiança dos eleitores e ao conjunto da sociedade.

*Marisa Formolo deveria pedir desculpas públicas ao Rio Grande, por todos os meios que o seu mandato dispõe. Ora, não é por obra do acaso que o Partido dos Trabalhadores enfrenta enorme desencanto. O tempo e as ações desastradas de algumas de suas mais destacadas lideranças vêm causando irrecuperável prejuízo para a agremiação que já foi sinônimo de ética na política.

*Afinal, onde estavam os amigos, dentro e fora do círculo familiar, da deputada que não lhe alertaram a respeito desta arrogante maluquice? E os assessores bem pagos e com formação para compreender os desdobramentos de ações que resultam em reações periféricas? Todos, pelo jeito, fizeram de conta que nada de mais aconteceria, a não ser o riso e as emoções provocadas nos “medalhados”.

*Mensalão, Petrolão e outras mazelas não saem das capas dos principais jornais e revistas de circulação nacional. Todos os dias. Embaixo de pedra sobre pedra aprecem falcatruas, de todos os tamanhos. Não faltam vozes, no próprio partido, a dizer de tal e dar publicidade desta realidade insofismável.

*Tomara que a repercussão negativa causada pelo tiro no pé disparado pela deputada Formolo sirva para que uns e outros, na Assembleia e nas Câmaras de Vereadores, ponham as barbas de molho em relação à distribuição de honrarias. De tantas e a tantos acabam perdendo o sentido de distinção relevante.