Coluna: Para se Distrair | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Para se Distrair

Coluna: Para se Distrair

Animações

Duas dicas de animações para aproveitar nas férias. A primeira dos amarelinhos unicelulares e milenares que estão fazendo sucesso nos cinemas. A segunda um filme que saiu a pouco do cinema e retrata a já conhecida relação entre uma criança e um extra-terrestre, mas de uma forma divertida e cativante. Enjoy!

 

Minions

Minions

Título Original: The Minions

Gênero: Animação/ Fantasia

Duração: 1h31

Criado por Pierre Coffin, Kyle Balda

Os bichinhos amarelos mais queridos atualmente ganharam um filme só deles. E um ótimo filme. “Minions” é uma produção que encanta crianças, jovens e adultos. Arrancando risadas e suspiros até dos rostos mais carrancudos. Não tem o melhor enredo do mundo, mas como uma animação que tem o objetivo de divertir e contar a história dos Minions, não deixa nada a desejar. A sua versão 3D foi muito bem feita e convence com detalhes, como no começo do filme que o passarinho parece passar por cima da cabeça de quem assiste. As pequenas, e atrapalhadas, criaturas apareceram nas telinhas pela primeira vez no filme Meu Malvado Favorito, em 2010, que vendeu quase 3 milhões de ingressos. Em 2013 eles voltaram a aparecer no Meu Malvado Favorito 2. Fizeram tanto sucesso, que neste ano ganharam seu próprio filme. A história se passa antes de os amarelos unicelulares e milenares conhecerem seu mestre Gru. O filme conta que a missão de vida deles é servir a um mestre do mal, o maior vilão do mundo. Sem um mestre eles ficam deprimidos. Por isso o trio Kevin, Stuart e Bob saem pelo mundo em busca de um novo senhor. Mas a história começa antes dessa empreitada, mostrando que a busca por um patrão maligno vem desde o início de sua existência. A abertura mostra várias sagas, elencando diversos momentos da História (com h maiúsculo) da humanidade – e até pré – e a sequência é simplesmente engraçadíssima. O jeito desengonçado deles faz com que a linha do tempo da sua procura por um mestre seja ainda mais atrativa. Quando chegam aos Estados Unidos, ficam sabendo de uma tal convenção de vilões na qual estará presente a “magnífica” Scarlet Overkill – um curiosidade interessante é que a voz brasileira da supervilã foi escolhida pelo sucesso da atriz Adriana Esteves como a vilã Carminha na novela Avenida Brasil. Eles se encantam pela vilã – que ganha pontos pela personalidade forte e seu discurso levemente feminista de que mulheres podem fazer o que quiserem, inclusive ser a vilã e não a mocinha. O trio Kevin, Stuart e Bob cativam até os personagens do filme, cada um com seu jeito, mesmo sendo parecidos fisicamente. Kevin é um líder nato, tanto que a ideia de sair de casa e buscar um mestre do mal para a tribo foi dele. Stuart lembra um astro do rock, está sempre com seu violão, e passa a trama toda enamorando guitarras e outros violões. Bob é o mais meigo dos três, parece uma criança com seu ursinho para cima e para baixo. Certamente o filme é a pedida certa para as férias, afinal não tem como não se apaixonar pelos Minions.

 

Cada um na sua casa

Cada um na sua casa

Título Original: Home

Gênero: Animação/ Comédia/ Aventura

Duração: 1h34

Criado por Tim Johnson

Falando sobre bichinhos pequenos e fofos, aí está mais um exemplo: os adoráveis aliens de Cada um na sua casa, chamados de Boovs. Eles mudam de cor de acordo com o seu humor e tem oito pernas. Há milhares deles, mas o mais citado é o Oh. Que é sozinho e atrapalhado, mas de bom coração. Os Boovs são especialistas em fugir, acham que tudo pode ser resolvido assim, por isso quando seus inimigos, os Gorgons, destroem seu planeta, eles vem para a Terra, buscando um local para chamar de lar. Retiram todos os humanos de suas casas, todos menos Tip – que tem grande antipatia pelos aliens por terem levado sua mãe, deixando-a apenas com o seu gatinho, batizado de “Porquinho”. Em geral, os Boovs são ótimos súditos e obedecem cegamente à liderança do Capitão Smek. A exceção é Oh que gosta de fazer de as coisas ao seu jeito e vive se metendo em confusões. Este é um dos motivos que ninguém gosta dele. Não que isso seja suficiente para fazê-lo desistir de ter amigos. Entusiasmado com a ideia de ter vizinhos, ele organiza uma festa de boas vindas – que ele chama de: Festa de Inaugura Casa. Ao enviar um dos convites acaba avisando, sem querer, a localização deles para os Gorgons. O que acaba fazendo com que ele tenha que fugir de sua própria espécie, é quando conhece Tip. O modo como ele fala gera risos, com frases como: “mim deixa” e “posso entrar pra fora?”. A relação entre o alien fofinho e a menina em busca da mãe ficou muito bem feita. Cativa o espectador e prende a atenção. Além de conseguir arrancar boas risadas. O modo como Oh não conhece pequenas coisas humanas e cotidianas – como a diferença entre o banheiro de meninos e meninas – o torna mais meigo. Um destaque bastante válido é para a protagonista, a pequena Tip, que é uma das poucas jovens negras e com cabelos cacheados – quase um black power – a aparecer em filmes. A coragem e determinação da menina dão vida ao enredo e conquistam o expectador. Os efeitos visuais e a trilha sonora são de grande qualidade. A trilha sonora incluiu até duas canções inéditas de Rihanna – que no original faz a voz de Tip.