Coluna: Outras Palavras | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Outras Palavras

Coluna: Outras Palavras

Retrato da (in)Segurança

Em 10 dias, 55 homicídios na grande Porto Alegre.  Em dois dias, 84 carros roubados na capital. No último final de semana três chacinas em Porto Alegre. Dezenas de assaltos a banco. Uma rebelião na penitenciária de Charqueadas, em que os próprios familiares foram feitos de reféns. Faltam gasolina e manutenção para saídas de viaturas, muitas delas também com documentação vencida. Em meio a esse caos, os bandidos tiveram a audácia de render um guarda e assaltar uma agência bancária que fica nas barbas do prédio da Secretaria de Segurança Pública  do Estado do Rio Grande do Sul. Uma das primeiras medidas do governador Sartori em seu início de governo foi fazer economia em cima das horas extras da Brigada Militar. Resultado: menos comida na mesa do policial e menos policiais nas ruas. Por decreto, vetou novos concursos e nomeações. Estão à espera dois mil policiais militares (1,6 mil para o policiamento ostensivo e 400 para o Corpo de Bombeiros) e 650 policiais civis (para atuação em delegacias). Hoje existem 19 mil PMs na ativa, quando o necessário seria pelo menos o dobro. O golpe final foi o parcelamento dos salários do funcionalismo. Medida que penaliza, sobretudo, aqueles cujos salários já são parcos para as despesas mais elementares, com o agravante de ter por ofício arriscar sua vida todos os dias.

 

A mídia e o antipetismo

Interessante o paralelo  entre os princípios da propaganda nazista empregados   na Alemanha, por Joseph Goebbels, que exercia o controle pleno sobre os meios de comunicação – utilizadas para influenciar, ideologicamente, o povo alemão contra seus inimigos, por meio da disseminação e justificação do ódio –  e a  estratégia adotada pela grande mídia no Brasil, desde a eleição (que parece, não terminou)  para a Presidência do Brasil, objetivando fomentar cada vez mais o ódio ao  PT . Alguns deles: Princípio da simplificação e do inimigo único – simplifique não diversifique, escolha um inimigo por vez.  Ignore o que os outros fazem e concentre-se em um até acabar com ele. Princípio da Transposição – transladar todos os males sociais a este inimigo.  Princípio da Exageração e desfiguração – exagerar as más noticias até desfigurá-las. Princípio da Vulgarização – transforma tudo numa coisa torpe e de má índole. Princípio da Renovação – sempre há que bombardear com novas notícias (sobre o inimigo escolhido) para que o receptor não tenha tempo de pensar, pois está sufocado por elas. Princípio do Verossímil – discutir a informação com diversas interpretações de especialistas, mas todas contra o inimigo escolhido (tática por demais utilizada). Princípio do Silêncio – Ocultar toda a informação que não seja conveniente (Zelotes, Mensalão Tucano, Caixa 2 da campanha do Aécio). Princípio da Orquestração – Fazer ressonar os boatos até se transformarem em notícias “oficiais”. Este último pode ser exemplificado com o boato de que a Presidente Dilma renunciaria, segundo “fontes palacianas”. Se é para causar instabilidade, vale-tudo. Mas a Presidenta, que foi presa e torturada na Ditadura Militar, reafirmou que aguenta todo tipo de pressão e ameaças e vai honrar os votos recebidos  e que ninguém vai tirar essa legitimidade que o voto lhe deu.

 

 

Twitter da semana: “Se o governo fosse do PT, a manchete seria: RS dá calote na dívida. Como não é, fica: Governo Federal bloqueia contas do RS.” Vinícius Wu