Coluna: Outras Palavras | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Coluna: Outras Palavras

Coluna: Outras Palavras

Culpa de quem?

FHC? Lula? Dilma? Depende. Cada qual tem a sua responsabilidade pelo período da sua gestão, certo? Qualquer cidadão íntegro, honesto e ético  deve se opor veementemente a qualquer tipo de corrupção em qualquer meio. A corrupção é intolerável e deve ser investigada sempre. Defendo a investigação séria, justa, imparcial, transparente. Também defendo a punição na forma da Lei para todos os corruptos e corruptores com devolução aos cofres públicos dos valores desviados. Isto serve para todos os partidos, empresas e pessoas físicas que nela estiverem envolvidos.

Quando a presidenta Dilma remonta a corrupção na Petrobras aos tempos de FHC – na verdade muitas das empresas envolvidas já atuavam desta maneira nos tempos da Ditadura em outras fontes públicas – ela quer demonstrar que são dois períodos do país que instituíram condutas distintas no enfrentamento à corrupção. Fato que por interesse de setores específicos não faz parte do debate público. Períodos que se distinguem, por exemplo, pelo respeito à autonomia da Polícia Federal e do Ministério Público, pela criação da Controladoria Geral da União e pela lei de acesso à informação.

O que não pode deixar de ser dito  –  e isso não é vitimização  – é que o tratamento dado pelo  judiciário e pela grande mídia aos escândalos de corrupção seja de acordo com  as suas conveniências. Apenas um exemplo disso: sobre a denúncia de ter havido compra de votos no Congresso – em um caso, para aprovar a emenda da reeleição de FHC, em outro, para compor a base aliada de Lula. No caso referente ao governo Lula,  os resultados foram a CPI dos correios e a ação penal 470. O que é positivo.  No caso referente ao governo FHC  os apontados permanecem  impunes.

Ora, o que está em curso é um movimento violento de sangrar o PT e o governo Dilma com vistas a 2016 e 2018 que  -para além da grande mídia, dos partidos de direita, da elite conservadora , que inclui integrantes do judiciário –  tem tido a adesão  oportunista e até o protagonismo do  PMDB e de  partidos de esquerda que até as eleições eram base do governo Dilma. Estes últimos ajudam a disseminar o antipetismo, mas estão é colocando em risco a democracia neste país, sem se darem conta de que o que está em jogo é a velha luta de classes.

O objetivo é reverter  o que pensavam os entrevistados do Datafolha em dezembro, ou seja, depois de meses nos quais capas de revistas tentavam caracterizar o período atual como o mais corrupto da história. Destes, 46% achavam que, desde a redemocratização brasileira, o governo Dilma foi aquele no qual a corrupção foi mais investigada, à frente de Lula (16%), Collor (11%) e só então FHC (4%).Ou que o governo Dilma foi o período no qual os corruptos mais foram punidos (40%).

Combatamos  a corrupção; mas também , a ignorância , a manipulação e a hipocrisia. Lutemos veementemente  por uma reforma política estrutural, por mudanças de práticas na organização partidária e na condução dos negócios públicos.