Animais em agropecuárias, pode? | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Animais em agropecuárias, pode?

Animais em agropecuárias, pode?

Os protetores trabalham com conscientização contra o abandono, resgatam, levam em veterinários, castram e disponibilizam para adoção e é esse o correto. Largar bichos em agropecuárias fere totalmente o que lutamos. Mas aí o cidadão encontra um animal, gato ou cachorro na rua, “não sabe” o que fazer para ajudar, prefere pagar (transferir a responsabilidade) para uma agropecuária que cobra até cem reais para deixar um animal engaiolado dependendo do porte. Sai dali com a consciência tranquila, pois “sabe que terá ração e não será atropelado”. Ledo engano.

Vocês nunca vão saber o que acontece com o animal quando viram as costas. Quantos problemas sérios de maus tratos e abandono em matos pelos próprios donos das agropecuárias já vimos? Vi uma “prestação de contas” de uma famosa agropecuária de Porto Alegre, que revelou que em 2013 fizeram 994 adoções entre cães e gatos. Nossa, e os protetores engajados mal fazem 70 adoções bem feitas eu acho em 1 ano, porque a moda agora é devolver animais como mercadorias descartáveis depois de 2 anos.

Segundo a resolução Nº 592, DE 26/06/92 Enquadra as Entidades obrigadas o registro na Autarquia: CFMV-CRMVs dá outras providências, Parágrafo VI firmas ou entidades que comercializem produtos de uso animal ou rações para animais; (agropecuárias), e segundo decreto N.º 5.053, DE 22/04/04 Art. 18. o estabelecimento e produto referidos neste Regulamento, para serem registrados, deverão possuir responsável técnico com qualificação comprovada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e legalmente registrado no órgão de fiscalização do exercício profissional respectivo.

Portanto, denunciem se caso não tenha um Médico Veterinário em qualquer agropecuária pelo e-mail crmvrs@crmvrs.gov.br, para que haja fiscalização e cuidados com os animais ali deixados. Infelizmente as pessoas tem o péssimo hábito de chamar protetor, ou colocar o bicho engaiolado nesses estabelecimentos, passando a responsabilidade que é dele. Não podem ficar com o animal, pelo menos castrem, não deixem se proliferar ninhadas e ninhadas. Nunca haverá uma solução eficaz enquanto não houver castração em massa. O bicho fica na rua? Fica em agropecuária? Protetor resgata mais do que pode? E os órgãos Públicos, onde vocês estão?