Vereadores divergem sobre comissão parlamentar do Chico Mendes | 2M Notícias

Edições Online

Capa Gravataí Capa Cachoeirinha Capa Sto Antonio

Vereadores divergem sobre comissão parlamentar do Chico Mendes

Vereadores divergem sobre comissão parlamentar do Chico Mendes

O abandono do Loteamento Chico Mendes, significa pouco mais de 7 milhões de reais repassados pela Caixa Econômica Federal, até novembro de 2013. O custo total da obra custaria em torno de 15 milhões de reais. Em 2013, ano da ocupação (após um trágico temporal que devastou muitas residências da Vila Canarinho), o loteamento estava com 46% das obras concluídas. No projeto atual, o número de residências cairia de 427 para 284 unidades. A redução das unidades habitacionais é uma sugestão, já que a Caixa (financiadora do projeto) já que não repassaria os valores para reconstruir o que foi depredado nestes meses de abandono.

A criação da Frente Parlamentar do Chico Mendes, nas últimas semanas, está gerando divergência entre os vereadores de Cachoeirinha. Tudo porque segundo os vereadores Irani Teixeira (PCdoB) e Antônio Teixeira (PSB), os levantamentos feitos pela atual frente já teriam sido apresentados na tribuna da Câmara em 25 de março deste ano. “No ano passado levantei as questões na tribuna, e criamos uma comissão especial para encontrar soluções em diversas áreas da cidade, e entre elas estava a questão da habitação”, falou Antônio Teixeira.

Irani Teixeira

Vereador Irani Teixeira

O vereador lembra que na ocasião questionou também os empreendimentos construídos pela Bolognesi, que segundo o legislador são construídos sem que haja planejamentos nos bairros, para questões como educação, saúde e segurança. “Quando tu abres um espaço para uma construtora fazer um loteamento tu estás trazendo gente para a cidade sem oferecer toda a estrutura necessária, como escolas, creches, postos de saúde e até um maior número de policiais para manter a segurança é preciso”, explicou Antônio Teixeira.

O vereador lembra que quando foi criada a comissão, o

Secretário de habitação Alcides Gattini

Secretário de habitação Alcides Gattini

, foi chamado. “Apresentamos o projeto e as necessidades de dar andamento no Chico Mendes. Cabe ao legislativo mostrar os problemas e levar ao executivo, esse é o papel dos vereadores”, explicou Antônio Teixeira, mostrando as atas da reunião ao qual o secretário participou.

 

Entre os questionamentos do Loteamento Chico Mendes levantados pela comissão estavam o estágio das obras  e principalmente qual era a situação da Estação de Tratamento (ETE).

Na ocasião, Gattini informou através de um relatório oficial que haviam sidos realizados serviços de pavimentação no Chico Mendes , sendo que as obras referentes à continuidade da execução da Estação de Tratamento – ETE -, tinham previsão para abril deste ano.

Na tribuna, em dezembro do ano passado, o secretário da Habitação afirmou que o projeto ainda não havia sido executado por conta de entraves na execução da obra do Tratamento de Esgoto. Sem a construção da ETE, o local não teria condições de moradia e que assim que o projeto tivesse com 40% de sua conclusão de saneamento completo, a sua equipe iniciaria a construção das casas.

Na oportunidade Gattini também teria dito que os moradores da Vila Olaria foram convidados para conhecer o Loteamento, e uma das moradoras presente na sessão rebateu dizendo que isso nunca aconteceu.

Na oportunidade também, o secretário afirmou que a ETE levaria 6 meses  para ficar pronta e que logo após, as famílias inscritas, priorizando a Vila Olaria e Vila Navegantes seriam as contempladas com as unidades habitacionais.

Frente parlamentar reúne-se com prefeito

A frente parlamentar que pretende encontrar uma solução para o Loteamento Chico Mendes, reuniu-se com a população o bairro Olaria na última sexta-feira (31), na Escola Municipal de Ensino Fundamental Lampadinha. O encontro serviu para esclarecer aos moradores as questões do Chico Mendes. O vereador Marco Barbosa (PSB), um dos criadores da Frente Parlamentar, falou sobre a reunião com o executivo. “Nos reunimos para tentar encontrar uma solução para viabilizar o Chico Mendes, trazendo para dentro da Câmara, esclarecendo para a sociedade e buscando a solução com os órgãos responsáveis”, esclareceu Marco.

Marco Barbosa

Vereador Marco Barbosa

Barbosa ainda lembrou que é necessário que o Chico Mendes saia da atual situação. “O Município tem gastos, todos os anos as enchentes geram custos à cidade, se propôs fazer um mutirão com os moradores para a mão de obra, e a prefeitura arcaria com cerca de 2 milhões em materiais de construção”, explicou o vereador.

Sobre os questionamentos sobre o porquê da frente parlamentar, Marco Barbosa diz que a anterior não era específica do Chico Mendes. “A comissão feita anteriormente falava sobre outros assuntos, o Chico Mendes era secundário, está é especifica”, falou Barbosa.

Contraponto

O vereador Antônio Teixeira rebate: “talvez tenham criado uma nova comissão para alavancar alguns nomes de vereadores, para não nos darem o mérito. Quando criamos a comissão não fomos oportunistas, já que não havia enchente, estávamos prevendo estes acontecimentos”, falou o vereador.

Vereador Antonio Teixeira

Vereador Antonio Teixeira

Conforme o vereador, na ocasião em março deste ano, na apresentação do relatório final da sua comissão ele e mencionou: “usando a tribuna fiz a seguinte sugestão: entreguem as casas do Loteamento Chico Mendes aos futuros moradores que estão cadastrados para que os mesmos terminem as construções. Para tanto, seria criado o programa de financiamento com carência de 2 anos” ressaltou.

Segundo ele, o Poder executivo financiaria um pequeno valor para cada morador. “Mas eu penso no bem da cidade, se for bom para Cachoeirinha, que seja feito desta forma”, concluiu Antônio Teixeira.

Aproveitando da situação

“A base do governo tenta, agora, depois de tanto tempo, montar uma comissão e dizer que pode viabilizar o projeto, mas, na verdade, não fosse a incompetência do Prefeito, o projeto já estaria pronto. A prova de que esta nova comissão não faz o menor sentido é o fato de já existir uma comissão, anterior a esta, com o mesmo assunto em pauta”, ponderou o vereador Irani Teixeira.